sábado, 24 de novembro de 2012

Recado dos desconhecidos e decadentes à Ministra da Cultura



O besteirol de Marta Suplicy

A nossa maravilhosa, fantástica, imponente, inteligente, desenvolta, culta, humilde, letrada e esquisita tanto quanto esticada Marta Suplicy, ministra da Cultura, em entrevista ao jornal O Globo, disse que não existem reclamações contra o ECAD - órgão fiscalizador e controlador de direitos autorais - por parte dos músicos mais famosos e que "o mar de queixas contra o órgão vem de músicos menos conhecidos e decadentes."  Nas redes sociais já existem movimentos contra a antice da ministra e o besteirol de Marta serviu para unir todos os músicos taxados de "desconhecidos e decadentes" pela eminência cultural.

Abaixo, uma reprodução de uma carta aberta endereçada à mulher maravilha, linda, fantástica, culta, letrada e, acima de tudo, humilde.

Edson Joel
 




CARTA ABERTA DOS MÚSICOS "MENOS CONHECIDOS E DECADENTES" À EXMA. SRA. MINISTRA DA CULTURA MARTA SUPLICY.

Exma. Sra. Ministra da Cultura Marta Suplicy,

Nós, os músicos menos famosos, os desconhecidos, os decadentes, nos sentimos muito "tocados" com seu depoimento no jornal O Globo. Sim, temos muitas reclamações, a respeito do ECAD, da OMB, das políticas de incentivo à cultura, das rádios, das emissoras de televisão, do Jabá (que existe, e saiba, não por mérito nosso), da missão quase impossível de se viver de arte e cultura no nosso país.

Nos sentimos tocados pela falta de sensibilidade da Sra. Ministra diante de um país inteiro, repleto de GRANDES, DESCONHECIDOS E DECADENTES ARTISTAS, sim, pois para um artista, o que atesta a sua envergadura não é a fama, embora a Sra. Ministra acredite no contrário.

Um artista vive porque sua arte é essencial, vital...
Um artista vive pois há um mundo de sabores, dores, alegrias, emoções de todas as cores a explodir dentro do peito tornando insuportável a vida longe do palco...
Um artista vive porque nasce com um nó na garganta, que aperta mais e mais a cada dia de silêncio...
Um artista vive porque há por todo o mundo uma infinidade de cantos para se cantar, danças para se dançar, formas para se esculpir, imagens para se pintar, palavras para se escrever, idéias e ideais para se cumprir...

Um artista vive porque não há escolha, um artista não é artista porque quer, um artista é artista porque precisa. Um artista vive pelo momento mágico do aplauso, da lágrima furtiva do público, do sorriso...
Um artista vive com tanto e tão pouco, pois o tanto pode ser apenas uma única pessoa tocada pelo seu fazer artístico. Um artista vive pela necessidade de compartilhar sua vida com quem quer que esteja disposto a ouvir. Um artista vive com a sensação de há sempre algo que ainda não foi dito.

Um artista vive por insistência única e imprescindível de ser sincero aos seus sentimentos, às suas emoções. Um artista vive por teimosia... Um artista vive dilacerado pela dor de não conseguir sobreviver da sua arte. Um artista vive momentos de dúvida, de desespero e descrédito em si mesmo enquanto o tempo passa e as contas se acumulam... Um artista vive sempre a se reinventar, a acreditar no novo, a buscar o passado para visualizar o futuro. Um artista vive com a sensação de total desamparo diante de um país que esquece seus grandes artistas sejam eles famosos ou não.

Um artista vive a fazer planos, projetos, buscar apoios, patrocínios que nem sempre chegam ou dão conta do mínimo necessário para realizar o seu sonho. Um artista vive dos seus sonhos, tornados realidade... ou não... Um artista vive muitas vezes como pária, um marginal de uma sociedade de clones, de carimbos desprovidos de individualidade.

Um artista vive como o o último soldado a abandonar o campo de batalha, porque Sra. Ministra, embora a senhora não seja atingida, nós estamos no meio do fogo cruzado, nós somos o soldado que se mantém de pé e luta até a última gota de sangue, mesmo que a batalha pareça perdida... E enquanto houver um artista fiel aos seus ideais e sua voz se fizer ouvir em algum canto por quem quer que seja e uma nova emoção brotar desse encontro, a arte cumprirá a sua função de unir os homens. E é isso, Exma. Sra Ministra da Cultura Marta Suplicy, é isso que faz de um artista desconhecido, decadente, um artista verdadeiramente GRANDE.
Respeitosamente,


Eduarda Fadini - cantora, atriz, poeta, ARTISTA...