domingo, 20 de janeiro de 2013

Lula comprou deputados. Dilma, a Folha.

  • A principal manchete da Folha de S.Paulo, neste domingo, é, no mínimo, denunciadora. Diante de um quadro já detectado de intensas críticas contra o farto investimento em obras da Copa do Mundo e o abandono da educação, nas redes sociais e pesquisas, a Folha de S. Paulo, lança a manchete "Dilma gasta menos com obras e mais com educação", coincidindo com as análises já feitas nos bastidores governamentais. 

    O título da matéria é mais uma criação de marketing político que jornalístico. Internamente o texto relata que "apesar da sua imagem de gestora de obras a presidente retrai gastos com transportes" e escandara um desfile de investimentos no começo do governo até chegar a informação dos investimentos em seu plano atual: educação e assistência social. Parece mesmo um resumo bem feito de "release" oficial tal a ordem dos fatos e números citados. O texto é uma defesa escancarada da presidente. 

    Quando valeria uma matéria dessas, num jornal como a Folha, considerando que a publicação circula com pouco mais de 290 mil exemplares (a Folha já rodou com mais de um milhão de exemplares na década de 80)? O suficiente pra bancar - sem trocadilhos - a folha de pagamento e algumas promissórias vencidas? Uns R$ 5 milhões, R$ 10, R$ 15?

    A Folha perdeu a identidade, a ética, a vergonha? A credibilidade?

    Quando se trata de matéria paga, o texto deve vir cercado e com um informe de publicidade. Mas é possível identificar a "matéria paga" disfarçada em notícias. A capa de Veja sobre o imbróglio do Abílio Diniz, do Pão de Açúcar, com o grupo francês, é um deles. A matéria do Facebook também. Ou reportagens sobre "descobertas científicas" de medicamentos para emagrecimento com suntuosos títulos "perder peso com saúde" nada mais é que publicidade milionária para algum laboratório multinacional. Ou quando o Jô Soares entrevista escritores, as editoras pagam uma grana. Isso é que é merchadinsing. Ou você acha que o Jô é tão culto assim a ponto de divulgar, gratuitamente, um livro que vai vender milhões de dólares? 

    De vez em quando você assiste "reportagens", em vários canais, sobre Dubai e as suas maravilhas. Alguns apresentadores realizam as reportagens - com tudo pago - no local. Tudo matéria paga e bem paga pelo governo dos Emirados Árabes Unidos.

    Os petistas, na contra mão da história, anseiam órgãos para controlar a mídia, tal e qual nos mais violentos sistemas totalitários. Pra que tanta complicação se a Folha se vende por uns cincão?

    Nada contra comercializar os espaços de jornais, revistas, tvs e rádios. Mas nada a favor de mascarar matéria paga como notícia.



    Boa Tarde! Você já viu a capa da Folha deste domingo?
    Em nosso destaque: Dilma Rousseff gasta menos com obras e mais com educação. http://folha.com/no1217505 Prioridade na primeira metade do mandato foi assistência social e ensino, com alta de 25% em relação a 2010.
    Curtir ·  · Compartilhar · há 37 minutos
    • 251 pessoas curtiram isto.
    • Edson Joel Quanto o governo federal está pagando para a Folha de São Paulo para publicar a manchete "Dilma gasta menos com obras e mais com educação"? Pauta palaciana? O release veio pronto? Justificativa do governo para as obras paradas que a gerentona não consegue tocar? A pesquisa mostrou que o marketing deve ser feito em cima da educação? Que vergonha, Folha. Os desavisados vão engolir essa matéria. O departamento comercial negociou bem, convenhamos.
    • Edson Joel Uns R$ 15 milhões? Dá pra bancar a folha de pagamento e as promissórias vencendo.
    • Edson Joel Matéria paga deveria vir em boxe cercado
    • Edson Joel O marketing do governo federal percebeu, pelas redes sociais e pesquisas, que o povo criticou os grandes investimentos em Copa do Mundo enquanto a educação está em plano secundário. Diante disso encomendou a matéria para tentar reverter esse quadro. E a Folha, claro, levou muita grana para publicar esse "release" palaciano.
    • Edson Joel O que dinheiro não faz? Lula comprou deputados e Dilma, a Folha.