quarta-feira, 22 de maio de 2013

E se o "programa social" bolsa família realmente acabasse?

Mais de 2 bilhões e meio por mês na compra de votos

Mais de 13,5 milhões de famílias "carentes" estão no cadastro do Bolsa Família. São 36 milhões de pessoas que recebem 70 reais por mês, sem contrapartida. Nesta semana que passou, um boato de que o "programa social" acabaria, promoveu uma corrida aos bancos para sacar o dinheiro. Uma multidão de "pobres" invadiu as agências e todos perceberam que a miséria não era tão grande assim. Na verdade é mais Bolsa Eleitor, um programa oficial de compra de votos.

O governo garante que milhões saíram da miséria e os empregos aumentaram. Se você der esmola no semáforo certamente esse dinheiro voltará ao comércio. Mas alguns fatos devem ser registrados: o esmoleiro continuará esmoleiro enquanto estiver recebendo, sem esforço, sua esmola. Mas continuará sem promoção, esmoleiro por anos e dependendo de ajuda. É, no caso da Bolsa Família, mais fácil do que trabalhar. Se o programa acabasse hoje, milhões de acomodados no Bolsa Família, 10 anos depois, estariam sem formação e emprego. E sem trabalho e educação o governo constrói uma geração da vagabundos.

O desemprego diminuiu no Brasil? Faça as contas de quantos encostados nesse tipo de "programa social" deixaram de procurar emprego. Mesmo porque, pelas regras, quando empregado, o benefício cessa. Entenderam?


Rachel Sheherazade, comentarista do SBT,  traduz bem o sentimento da população