domingo, 14 de julho de 2013

PMDB dá prazo para Dilma subir nas pesquisas

 

PMDB em dúvida sobre apoio a Dilma

Dilma Rousseff foi colocada contra a parede pelo seu principal aliado político, o fisiologista PMDB que ainda não decidiu pelo apoio a reeleição da presidente. Isto porque a demanda das ruas descortinou outro cenário - a queda do prestígio de Dilma que despencou 27 pontos nas pesquisas chegando a 30% - e isso colocou em "slow motion" todas as negociações para as eleições de 2014. Ela terá três meses para melhorar sua posição nas pesquisas. Esse foi o prazo que o PMDB concedeu para avançar nos acordos.

A sorte de Dilma é que o maior partido aliado não tem outra opção. Mas ela também sabe da existência de um movimento liderado pelo deputado federal Eduardo Cunha que luta pelo rompimento irreversível com o PT com um único objetivo: deixar livres os candidatos do PMDB para as alianças visando as eleições para governador. Michel Temer teme perder o poder e tentará convencer seus pares  manter o acordo com Dilma. Se Lula voltar ele cai fora, certamente. Temer, depois de ter recuado diante da questão do plebiscito, é visto com reservas dentro do partido.