terça-feira, 2 de setembro de 2014

Candidatos evitam bater em Marina, mas ela bate com gosto. Ou: Dilma só sabe bater em Aécio

01/09/2014
 às 19:25

Reinaldo Azevedo


Marina Silva e Dilma Rousseff polarizam o debate presidencial promovido pela Jovem Pan, Folha, UOL e SBT. Sempre que possível, uma faz a pergunta à outra. E, no embate, Marina sai vencedora. Parece mais segura, fala com mais fluência, parece mais treinada para o debate. E tem dois confortos que faltam a Dilma: está em ascensão nas pesquisas e não tem de defender a cidadela; vale dizer: a ex-senadora joga no ataque, e a atual presidente, na defesa.
Dou um exemplo de uma Dilma mal treinada para enfrentar uma Marina muito afiada. A petista quis saber por que o programa da candidata do PSB dedicou apenas uma linha ao pré-sal. Marina, claro!, declarou a importância do petróleo, mas exaltou a busca de novas fontes de energia e aproveitou para atacar os desastres na Petrobras. A petista ficou sem resposta.
Quando chegou a vez de Marina perguntar, mandou ver: Dilma não cumpriu a promessa de fazer o Brasil crescer com inflação baixa. O que deu errado? A petista afirmou que responderia o que deu certo. Na tréplica, a adversária contra-atacou: afirmou que a petista tem dificuldades de reconhecer os problemas do governo. Ganhou de novo.
Aécio Neves teve um ótimo desempenho. Falou com fluência e segurança, mas não foi um dos polos do debate. Num embate com Dilma, ficou claro que os petistas sabem bater em tucano — hoje uma tática meio suicida —, mas não sabem o que fazer com Marina.
O tucano indagou por que o governo federal investiu tão pouco em segurança pública. Sem agressão ou ataque. Na resposta, Dilma disse que ele tem memória fraca, é mal informado e não estudou direito. Vale saber: a candidata do PT sabe ser dura com quem, se a eleição fosse hoje, seria derrotado por ela. Mas não tem o que fazer com uma Marina que sairia vitoriosa. O PSDB está numa situação muito difícil, e o PT está absolutamente perdido.
 Por Reinaldo Azevedo