terça-feira, 10 de março de 2015

Fora Dilma, grita povo na Feira Internacional da Construção

Vaias e fora Dilma na chegada da presidente na Feira Internacional da Construção


Por Edson Joel

A presidente Dilma Rousseff tentou evitar a entrada do 21º Salão Internacional da Construção, realizado no Anhembi, São Paulo para evitar as vaias. Mas não adiantou. Quando desceu, já dentro do evento, foi sonoramente vaiada por uma imensa multidão formada por funcionários e empresários do setor de construção.

As vaias ocorrem depois da tentativa de explicar os ajustes promovidos pelo governo para consertar os erros praticados por ela na economia do país. Na televisão, enquanto falava, recebia vaias e xingamentos por todo país no que se chamou de panelaço.

Os corredores foram isolados para que ninguém se aproximasse dela mas, ao chegar e percorrer alguns metros - o carro entrou no recinto de exposição - ela foi vaiada e xingada. Sentindo-se em desconforto, percorreu alguns stands e voltou rapidamente para o carro que a conduziu até um salão privado para a realização da cerimônia diante de poucos empresários. Este ano a Feira Internacional da Construção ocupa menos da metade do espaço do evento anterior.

O setor é um dos que mais sofrem com a economia em frangalhos. Aos gritos de fora Dilma, a presidente se retirou do local.

A piada seguinte foi descobrir quem "financiou" as vaias, desta vez, considerando que o PT, em nota oficial do partido, assinado pelo seu vice-presidente, culpou a oposição pela compra das panelas na manifestação popular durante sua fala na TV.