segunda-feira, 11 de maio de 2015

Porque os cubanos não se rebelam?


Liu Santiesteban: "Se os cubanos não se rebelam ou poucos o fazem é porque, por mais de meio século, foram e são submetidos ao controle totalitário por uma única família: a família Castro Ruz.

As 6 armas de Castro contra rebelião

Por Liu Santiesteban
:
uma questão recorrente quando se trata de Cuba: por que os cubanos não se rebelam? Por que não protestam em massa?

Primeiro de tudo, devemos dizer que 20% da população de Cuba se rebelou pela emigração. Esse tem sido o nosso voto especial por não ter eleições livres e pluralistas. Mas há seis medidas muito concretas tomadas por Castro desde o início de sua revolução, a fim de evitar uma revolta popular contra ele. Talvez estas são as respostas para essa pergunta de novo e de novo fazer de nós cubanos.

1- Armas

É famosa na história da guerrilha de Castro antes de 1959, o assalto a um arsenal em Havana, em 9 de Abril de 1958. Embora essa ação não tenha sido contida propositalmente pela polícia, Fidel Castro se deu conta do perigo se pessoas tiverem armas. Afinal, a revolução não teria sido possível sem o acesso a armas. Por isso ele proibiu armas no país. Ninguém, além do exército e da polícia, poderia transportar ou utilizar armas.

2- Transporte


Este é um problema por se resolver em mais de meio século, em Cuba. Mover-se dentro da mesma cidade é quase uma missão impossível, o que pode levar várias horas. Imagine a partir de um estado a outro, de uma extremidade a outra da ilha? Eles nunca construíram estradas ou ferrovias em Cuba e as que existem ficaram sem manutenção nos últimos 50 anos. Carros sempre foram "concedidos" aos comprometidos com o regime e a importação de qualquer meio de transporte foi proibido. Embora recentemente tenha autorizado a venda de veículos, os preços são inacessíveis para a grande maioria da população; você deve economizar mais de 20 anos de salário integral para comprar um carro. Passagens aéreas também são poucas e caras. Isto tem um efeito negativo não só para os cidadãos que não podiam ser movidos facilmente, mas também afetou o transporte de mercadorias, o que me leva ao meu próximo ponto.

3- Dinheiro

Nos primeiros anos de sua revolução, Castro nacionalizou todas as empresas privadas. Primeiros grandes indústrias e, em seguida, todas as pequenas empresas, incluindo caixas de engraxate.

Mais tarde, ele roubou as propriedades dos cidadãos que tinham mais de uma. Em alguns casos, é permitido que algumas pessoas retenham duas casas, desde que em nomes de pessoas diferentes. Você não podia vender, apenas trocar uma casa por outra, até recentemente. Transações imobiliárias eram consideradas crimes. Ao fazer isso, juntamente com a mudança de moeda, Castro deixou sem recursos, em poucos anos, mais de 6 milhões de pessoas tinham propriedades.

Ele sabia muito bem o que é uma classe rica poderia fazer por um grupo de jovens manifestantes para trazer ao poder. Assim, 98% da população passou a trabalhar e depender do estado. Isso reduziu rapidamente o desejo de protestar, por medo de perder o emprego. Algo acontecia e continua a acontecer quando alguém é abertamente contra o regime. Então, geralmente, aqueles que se opõem Castro politicamente dependente da ajuda financeira externa para que possam ser facilmente acusado de mercenários.

4- Comunicação

Afetados pela falta de transporte, manipulada após o confisco de todos os meios de imprensa, rádio, televisão e cinema e atribuição de telefones fixos apenas para seguidores de Fidel, a comunicação entre os cubanos em Cuba, tem sido um dos santuários do nosso povo. Mesmo para as pessoas que apoiam o sistema, a situação poderia ficar complicada. Meu avô, por exemplo, que esteve na marinha toda a sua vida, só veio a conseguir o telefone 20 anos após sua instalação na ilha.

Então, 20 anos depois da chegada da internet do mundo, Cuba continua fechada, sem acesso à rede. O custo para se conectar durante uma hora na internet custa a metade do salário de um mês. Algo que sempre foi o objetivo dos irmãos Castro, recentemente ratificados por Raul, é que a acumulação de riquezas, sob as novas reformas, não seria permitido.

5- Política

Cuba não tem eleições de qualquer tipo após a tomada do poder por Fidel Castro. Em 1976 surgiu uma nova constituição e com ele o partido único, o Partido Comunista de Cuba, que se tornou a mais alta autoridade da sociedade acima de qualquer outro pensamento político. A partir deste momento, ele garantiu uma das armas mais poderosas contra a rebelião em Cuba, porque desde então a criação e participação ou apoio a outro partido tornou-se crime. Isso viola o direito de associação conforme a Carta Universal dos Direitos Humanos. Tornados ilegais, a maioria dos líderes de partidos foram detidos, encarcerados ou exilados. Também sofreram os membros do Diretório Revolucionário Cubano com os quais Fidel tinha rivalidade desde antes de 1959. Membros do Partido Comunista também foram  perseguidos e torturados.

6- Religião

Isso foi possível porque 1959 até 1976, Fidel tinha se dado a tarefa de substituir não só a fé em Deus pela fé na revolução, mas também porque substituiu o mesmo Deus em todos, ou quase todos os cubanos corações. Assim passou-se a ver placas nas portas das casas que diziam "Esta é tua casa, Fidel" no lugar da tradicional imagem do sagrado coração de Jesus.

Centenas de padres e freiras foram expulsos do país, milhares de instituições de caridade foram fechados, e o estado se tornou o único benfeitor autorizado. Algo que nós sabemos, é economicamente insustentável.

Mesmo hoje, quando não está proibido celebrar o Natal e as árvores decoradas não tem que ser escondidas, nem as virgens e santos tampouco, a polícia continua perseguindo e saqueando os grupos de ativistas independentes que reúnem, com esforço e ajuda do exterior, brinquedos para crianças e comidas para os pobres. Principalmente se os ativistas se declararem a favor dos direitos humanos.

Na declaração da independência dos Estados Unidos, Washington e os chamados pais fundadores da pátria norte americana estabeleceram que todos os homens são iguais, como havia determinado Deus. Embora tenha havido uma luta de anos para tomar essa máxima em prática, especialmente uma luta racial. De facto, houve uma guerra civil, da secessão, para que a liberdade individual de todos os indivíduos fossem respeitadas, a escravidão foi abolida.

Na constituição cubana de 1976, quase 20 anos de êxodo, desterro, perseguição política e religiosa, estabeleceu-se que o partido único era a única religião e seu presidente o próprio deus com todos os poderes em suas mãos, inclusive para conceder os direitos humanos para o povo cubano.


Liu Santiesteban, ativista cubana residente nos Estados
Unidos.
O desafio é tirar esse poder divino dos Castros que muitas vezes recebeu apoio da igreja católica cubana que tem se posto ao lado dos opressores em vez de exercer o papel de embaixadora e defensora de Deus em nome do povo cubano.

(No obstante habría que decir que la iglesia cristiana o evangélica ha dado muchos de sus hijos a esta lucha; y han sacado y sacan, la cara por el honor de Dios y de todos los cubanos en muchísimas ocasiones. Probablemente porque son personas de una fe que roza muchas veces en el fanatismo o sectarismo, algo que ha sido en este caso positivo para la causa de la libertad de Cuba, pues resulta mucho más difícil sustituirles la fe que tienen y mucho menos sustituirles a Cristo). Se hoje os cubanos não se rebelam ou poucos o fazem é porque, por mais de meio século, foram e são submetidos a controle totalitário por uma única família: a família Castro Ruz. Aos opositores frontais de Castro existem riscos conhecidos: perseguição, prisão, exílio e morte.