segunda-feira, 11 de abril de 2016

26 deputados do PT devem deixar a sigla

Pelo menos 26 deputados do PT, dos 57 que tem no congresso, devem deixar a sigla depois das eleições municipais de outubro, descontentes com os caminhos tomados pela direção do partido. Marco Maia (RS), Arlindo Chinaglia (SP), Benedita da Silva e Maria do Rosário fazem parte do grupo que discutiu a criação do movimento Muda PT que só não avançou em 2016 por conta do impeachment contra Dilma Roussef. Tarso Genro e Henrique Fontana organizam a criação de um novo partido, a partir do Rio Grande do Sul que abrigaria os descontentes.

Deputados gaúchos, ligados a Fontana, informaram que sairão do PT durante reunião com a presença de Tarso, há 20 dias. Prefeitos petistas, envergonhados com tanto escândalo, deixaram o PT durante a janela aberta. Só no estado paulista foram 25, dos 72 eleitos em 2012. Em Osasco o desmonte foi total com a saída do prefeito Jorge Lapas que se filiou ao PDT acusando o ex-deputado João Paulo Cunha, condenado no processo do mensalão.

A maior mágoa dos petistas é a proteção levantada pelo partido em torno de Lula, acusado de se beneficiar de milhões em propinas de empreiteiros condenados por corrupção na Operação Lava Jato. A maioria confessou os crimes. Até mesmo o grande amigo José Carlos Bumlai, desgostoso, entrou na delação premiada e contou que Lula sabia de tudo. Até mesmo o pagamento de propina para calar chantagista que envolvia o PT e oo ex-presidente no
assassinato de Celso Daniel.

O movimento Muda PT pode criar um ambiente que leve a expulsão de Lula do partido ou a criação de um novo partido. Sem Lula. Nas redes sociais surge uma sugestão. Para sobreviver como partido o PT tem uma única opção: expulsar Lula, o líder em agonia moral que destruiu os ideais do partido.