sábado, 1 de agosto de 2015

Ensino Básico: outro vexame da educação brasileira


Por Edson Joel

Mais uma vez a educação do país mostra que os atuais métodos e metodologias utilizados nas escolas públicas não funcionam. Os resultados do Terceiro Estudo Regional Comparativo e Explicativo, divulgados neste final de semana no Chile, colocam a educação do Brasil em posições decepcionantes. Segundo nota de O Globo, nossos alunos ocuparam os mais baixos níveis de aprendizado (I e II numa escala que chega a IV). 

A avaliação, que é coordenada pelo Escritório Regional de Educação da UNESCO, considerou o desempenho de 134 mil alunos do ensino fundamental, de 15 países, em matemática, leitura e ciências.

Na disciplina de matemática 60,3% dos alunos do 4º ano e 83,3% dos alunos do 7º ano ficaram nos níveis I e II. Somente 12% (do 4º ano) conseguiram atingir o nível IV e só 4% dos alunos do 7º ano chegaram neste patamar.

Em leitura 55,3% do 4º ano e 63,2% do 7º ano ficaram nos dois primeiros piores níveis da avaliação. O vexame continua: 80,1% dos alunos brasileiros do ensino básico ficaram nas classificações mais baixas em ciências naturais.

Isto é, as teorias de Jean Piaget e Vygotsky (crendices, como diria José Morais, professor emérito da Universidade Luxenburgo) não funcionam, mas os "doutores" da nossa educação insistem na prática construtivista. Stanislas Deheane, um dos mais importantes neurocientistas do planeta e estudioso do assunto, já disse que o construtivismo ensina o lado errado do cérebro.

O Chile foi o país que mais se destacou no nível IV, mas sem impressionar: 18% dos seus alunos chegaram ao topo em ciências, 38% em leitura e 20% em matemática.

Pelos métodos utilizados na alfabetização no Brasil as crianças (que deveriam terminar o primeiro ano escrevendo, lendo e compreendendo o que leem) levam 4 a 5 anos para concluir o processo e com um agravante: alguns leem mas não compreendem um enunciado de uma questão de matemática, por exemplo.


Nuno Crato, matemático e atual ministro da Educação de Portugal pergunta: pra que construir um cidadão que não consegue entender o que lê num jornal? "O Eduquês" é um dos seus livros, que recomendamos. É uma crítica ácida ao construtivismo e suas vertentes radicais que ele fez o favor de acabar, em Portugal. No lugar de teorias Crato colocou a neurociência nas salas de aulas e começou a recuperação do tempo perdido.

No Brasil as teorias condenadas pela ciência são defendidas em ardentes debates de pura vaidade entre "doutores em educação" que, sinceramente, sabem nada. Provas? Olhem os resultados. E já faz 30 anos que o Brasil patina em educação.