quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Como funciona o silêncio nas redes sociais



Por Cristian Derosa
Postado em 01/02/2017

A Teoria da Espiral do Silêncio foi desenvolvida na Alemanha, por Elisabeth Noelle-Neumann, em uma análise prolongada dos resultados das pesquisas eleitorais. Os pesquisadores observaram, após vários testes que incluíram uma diversidade de métodos, que uma das principais causas para as pessoas darem suas opiniões publicamente, ou ficarem caladas sobre elas, é o nível de medo do isolamento social. Esse medo ficou comprovado em sucessivos testes de campo. Se uma opinião é vista como majoritária, os opinadores dela terão mais coragem em se manifestar. Por outro lado, os contrários a ela terão uma tendência a ficarem calados. O resultado é um clima de opinião determinado pela propaganda de que uma ou outra opinião é majoritária. Um dos fatores mais importantes, portanto, é a atenção dada pelas pessoas ao comportamento opinativo do entorno social. A teoria foi formulada na década de 1970.

Antes do advento da Internet, portanto, as pessoas se informavam por canais mais simples como ouvir conversas no ônibus, em grupos de amigos ou acompanhar o noticiário opinativo. Parecia não haver lugar seguro para o isolado socialmente, aquele que possui uma opinião não compartilhada pela maioria (ou suposta maioria). Por isso, muitas pessoas mesmo intrigadas com determinadas questões públicas, precisavam de um longo período de silêncio até compreender a opinião do entorno e escolher se exporiam sua opinião ou não. O fator determinante era o medo do isolamento. Com a Internet, isso mudou substancialmente.

Segundo Neumann, no cálculo do risco de isolamento social, o indivíduo opta por empregar algum esforço na observação do entorno opinativo para reduzir o risco de confronto quando for externar sua opinião.

O computador pessoal se tornou rapidamente uma extensão da mente humana. Foi possível pesquisar solitariamente informações sobre assuntos, de modo que a pessoa possa manter-se em silêncio até ter informações suficientes para uma opinião mais segura. Inclusive informações sobre as opiniões correntes e mais aceitas. Os filtros de busca, como o Google, tornaram mais facilitada a procura por companheiros de mesma opinião, o que reduziu a sensação de isolamento e, com isso, o seu medo natural do ostracismo. O meio virtual como um simulacro do meio social contribui para o alívio da solidão humana e isso influi consideravelmente na criação de afetos e solidariedades grupais importantes para o reforço de personalidades, muitas vezes fortes e conflitantes com a maioria, o que sem a rede ocasionava isolamentos sociais dolorosos ou, o que é mais comum, o silêncio sobre as próprias opiniões e o fingimento de uma adequação social.

A espiral nas redes sociais

No Facebook, o feed de cada pessoa constitui o clima de opinião a que a pessoa tem acesso e serve, portanto, de critério de análise do que se pode ou não dizer, sempre por meio do cálculo do risco de isolamento, mensuradas com certa eficiência pelas curtidas, compartilhamentos ou comentários. A possibilidade de bloquear quem pensa diferente pode significar uma resposta ao velho medo do isolamento, o que é dado com um isolamento voluntário (ou seria a satisfação inerente à sensação de estar isolando o outro?). Por outro lado, o bloqueio pode ser uma ferramenta eficiente para se sair do mecanismo da espiral do silêncio. Ou pensar que se está saindo ao criar (randomizar) o próprio entorno social. Assim, gera-se um ambiente propício à externalização das próprias ideias de modo que eles até mesmo as reforçam.

O ambiente social, seja nas redes ou na realidade física, é um importante fator para determinar o que é dito ou não. A geração de um ambiente confortável à circulação de determinadas ideias pode representar também uma prisão ou um entorno igualmente hostil a ideias diferentes, o que impediria a entrada de ideias novas de outras pessoas ou mesmo da própria pessoa dona do perfil “configurado” para aceitar suas ideias. Portanto, o bloqueio ou o que se chama “limpeza” do feed, pode representar uma faca de dois gumes. Nem todas as pessoas possuem força interior, hoje, para retirarem-se de seus ambientes sociais toda vez que o ambiente se torna hostil às suas ideias. Em algum momento, as pessoas desistem de desfazer amizades e bloquear inimigos e passam a concordar com o entorno. Isso pode ser muito bem compreendido quando entendemos a mudança do caráter social no último século.

O reforço psicológico do grupo de apoio das próprias opiniões pode, por isso, favorecer uma radicalização ou até mesmo uma estagnação de indiferença e, por fim, o isolamento voluntário. É a isso que se referem, em geral, as reportagens comuns sobre o “ódio nas redes”. O problema é que, apesar de possíveis problemas, as redes sociais forneceram, nos últimos anos, um importante incremento à informação. Mesmo considerando verdadeiras as acusações da grande mídia, de que as redes sociais se tornaram o lugar do ódio.

Nos últimos anos, no Brasil, o Facebook foi amplamente usado para a mobilização que culminou no Impeachment de Dilma Roussef, em 2015. Além disso, a Internet tem sido palco de numerosas análises e divulgação de fatos e informações sistematicamente sonegados da população, o que evidentemente causa preocupação àqueles engenheiros sociais (ou seus repetidores úteis) que creem no perigo destruidor das massas e que, sem o auxílio da elite de iluminados que mantenha a massa domesticada, o caos e a final destruição serão os únicos destinos da civilização.

O upgrade da espiral do silêncio

Em uma matéria recente da Revista Veja, uma suposta novidade produzida pelas redes parece estar assustando analistas de mídia. São os “haters” (odiadores), que parecem estar povoando as redes e disseminando preconceitos raciais, sexuais e produzindo uma cultura de “bullying virtual”. O que esses analistas não percebem (ou fingem não perceber) é que essa nova classe de pessoas sempre existiu, mas era constrangida por um clima de opinião que as ameaçava de isolamento. A espiral do silêncio não é algo dependente da mídia, mas que acontece no meio social de qualquer forma. A criação da palavra “haters”, assim como a própria matéria da Veja, representa, na verdade, a tentativa de upgrade da Espiral do Silêncio, ameaçando com o isolamento e a humilhação pública aqueles que ousem dizer aquilo que pensam.

Muito pior que qualquer difamação racial ou sexual, o que a Veja faz, ecoando as ideias dos meios universitários do Brasil e deste preocupado mundo, é nada mais que instituir a perseguição à livre opinião, o que no caso representa a perseguição da revelação da verdade. Opinião é uma palavra bastante dúbia nos dias de hoje. Ela tanto pode ser digna de um Prêmio Nobel da Paz como pode tornar alguém o alvo preferencial de acusações de ódio e de todo tipo de preconceito.

O que chamam de preconceito racial, social, sexual e bullying, assim como denunciam ataques sofridos por celebridades (como se celebridades fossem midiaticamente indefesas), é na verdade a opinião sincera, temida desde que se começou a estudar meios de controlar as massas. Intelectuais como Gustav LeBon, Walter Lippmann, H. G. Wells, entre outros, acreditavam que a massa era incontrolável e tinha o potencial de dizimar a democracia e toda forma de liberdade por meio da sua espontaneidade caótica. Eles baseavam-se em teorias contratualistas como a de Thomas Hobbes e Rousseau, para quem a sociedade civilizada se originava de um contrato social, sem o qual o caos imperaria. Assim, a espontaneidade para esses intelectuais e seus seguidores, sempre será um mal que deve ser contido mediante o que Karl Mannheim chamou de “técnicas sociais”.

Leszeck Kolakowski, no célebre livro O espírito revolucionário – Marxismo: utopia e anti-utopia, afirma vir desses intelectuais aquilo que ele chama de intolerância da indiferença. Uma tal suposta”ditadura da verdade”, que o autor considera um “círculo quadrado”, pode ser imposta por dois motivos:

1) afirmando que a falsidade e o erro não podem ser tolerados porque a sociedade estaria perfeitamente convencida da verdade; ou

2) acreditando que verdade e justiça não possuem objeto e que seria preferível impor um único ponto de vista a todos do que deixar que os seres humanos briguem por futilidades.

Esta última hipótese, comum entre os estudiosos das teorias funcionalistas das ciências humanas, gira em torno da crença de que todo o estudo da realidade tem, em última análise, uma função social. Essa função era vista como formadora, normativa e organizadora da sociedade. Qualquer organização é melhor que o caos, para eles.

A explicação precisa preexistir aos fatos

O poder da mídia está menos na difusão de fatos do que na interpretação deles. Explicar o que está acontecendo é, para os intelectuais por trás da mídia, muito mais importante do que apenas apresentar os fatos. O momento dos fatos é o momento em que a forma da mente das pessoas precisa estar adequada para recebê-los. Para isso, a mídia precisa oferecer constantes análises e explicações da realidade. Quando as redes sociais resultam em um movimento de repúdio às ideias difundidas por essa elite seguidora daquelas ideias, tudo fica incompreensível e a mídia precisa oferecer uma nova explicação. A desestruturação do sistema social é a explicação mais utilizada, pois ela leva a pensar em soluções de reintegração, o que na forma da mente das pessoas significa imposição de uma ordem qualquer para resolver o problema do caos.

Espiral sempre existirá

Vivemos o império da empatia. As amizades, o círculo social, ganharam um valor acima de todos os valores culturais que imperavam nos séculos anteriores, o que deu à socialização um valor quase absoluto. Portanto, embora a espiral do silêncio possa ser atenuada em determinadas épocas, ela pode também ser reforçada por uma mudança naquilo que a sociedade considera mais importante de acordo com verdadeiras ou supostas ameaças sociais. O isolamento social já foi a marca característica de santos e heróis em épocas nas quais era fácil compreender que a verdadeira salvação está no abandono de si mesmo, o que implica diretamente no abandono do entorno social e de todo o respeito humano. O heroísmo dos indivíduos do passado, mesmo os cidadãos comuns que abriam empresas e chefiavam suas famílias, vai ficando cada vez menos compreendido em um mundo para o qual a direção da vida deve ser dada pelo movimento social. Mesmo a luta interna dos indivíduos contra o entorno, algo universal no ser humano, pode ser feita através de uma conduta imitativa, na qual o apreço social inerente à aparência de independência motive reações e modos de vida inteiros aparentemente livres.

O mundo da tolerância abstrata é o mesmo que não tolera opiniões diversas do ideal de tolerância calibrado pelos meios de comunicação e repercutido nos meios sociais. Opiniões independentes quase sempre sofrem a pressão das acusações de rompimento com o ideal de “empatia” permitido. Por isso, mesmo nas redes sociais o crime mais comum entre as acusações é o da arrogância, normalmente confundido com opinião independente. É claro que em um mundo neuroticamente socializado, dizer coisas que não são reconhecidas imediatamente dentro do padrão de opiniões circulantes, identifica-se com o rompimento da lógica socializadora e, portanto, solidária e tolerante. Essa aparente disfunção dos valores sociais vigentes só pode ser interpretada como um excessivo centro em si mesmo, um individualismo exacerbado, quando na verdade é apenas uma verdade não reconhecida pela linguagem dos cânones midiáticos.

A espiral do silêncio está presente nitidamente inclusive em ambientes religiosos, nos quais a conduta padrão é a dos santos e mártires, mas nos quais ainda assim impera o medo e a ameaça constante do isolamento social. Essa situação permitiu uma nova interpretação dos próprios mandamentos cristãos, como o Primeiro Mandamento (amar a Deus sobre todas as coisas), que facilmente era entendido noutras épocas, mas que hoje se encontra totalmente submetido ao amor ao próximo, algo cada vez mais ambíguo quando a interpretação corrente facilmente confunde o próximo com todo o entorno social e as ideias que circulam graciosamente pelo ambiente advindas da mídia de massa.

O homem precisa do reforço do próximo e esta afirmação evidencia a sua imperfeição e limitação. O limite do homem certamente está na sociedade que o envolve, assim como o que o transcende só pode estar obviamente fora do ambiente físico e social, ainda que seja nele que a sua transcendência se manifeste.
Publicação original do site Estudos Nacionais 

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

As cenouras que venceram Hitler

Robert Watson-Watt com o radar que permitiu a Inglaterra vencer a Alemanha
Por Edson Joel

John Cunningham foi um dos mais famosos pilotos britânicos durante a segunda guerra mundial. Sua especialidade era derrubar aviões inimigos durante a noite. Isso chamou a atenção dos alemães que perderam 19 deles, todos abatidos por John. Os alemães já vinham atacando a Inglaterra com bombardeios constantes e, entre setembro de 1940 e maio de 1941 as bombas caiam em todo país. A Luftwaffe estava dominando os céus ingleses até que surgiu John Cunningham, o herói das crianças britânicas e o maior consumidor de cenouras do país.

Durante o dia os pilotos ingleses tentavam barrar os ataques inimigos e, à noite, era a vez do capitão John Cunningham, apelidado de "Cat Eyes", literalmente Olhos de gato. Ele e seus companheiros atentavam a vida dos pilotos alemães durante a noite.

E a cenoura? Bem, essa informação se espalhou pelo mundo apenas para desviar a atenção para outro importante fato que fez a diferença na guerra: os ingleses tinham desenvolvido um radar mais preciso e, para dissimular, criaram a tal dieta de cenoura que "tornaram os ingleses com visão mais apurada".

"Faça como nossos pilotos, comam cenouras e tenham melhor visão" - diziam as peças publicitárias. "Elas ajudam manter sua saúde e te ajudam ver na escuridão". Os alemães devem ter acreditado.


O poder da cenoura: a invencionice para desviar a atenção dos alemães ajudou no maior consumo de hortaliças. Até "sorvete de cenouras"


"As cenouras te mantêm saudável e ajudam a ver na escuridão": além de camuflar, a campanha
serviu para aumentar o consumo de hortaliças.

A invenção do radar

Foi em 1904 que surgiu o primeiro radar, inventado por Christian Hulsmeyer, engenheiro alemão. Seu radar conseguia detectar um objeto com alguma distância mas com precisão baixa. Mas, em 1917, Nokola Testa estabeleceu os princípios de frequências e potências utilizadas para detectar objetos e seu movimento.

John Cunningham
Vários cientistas, após essa publicação, desenvolveram radares com diferentes resultados até chegar a precisão dos radares atuais. Em 1934 registrou-se a primeira patente (Emile Girardeau, engenheiro francês patenteou o radar multi-frequência). Neste mesmo ano o russo P.K. Oschepkov criou o Radar que denominou de Rapid e que conseguia detectar a presença de um avião a três quilômetros de distância. Em 1935 Dr. Robert Page, norte americano, construiu um radar de mono frequência.

Mas foi o engenheiro britânico Robert Watson-Watt, em 1935, que conseguiu avançar no desenvolvimento de um radar que permitia localizar um avião a 100 km de distância. Por pouco os britânicos estiveram à frente dos alemães que também tentavam evoluir o equipamento. 

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

O suicídio entre homossexuais

Por Edson Joel

O índice de suicídios entre os que se auto declaram homossexuais (gays, lésbicas, bissexuais) e os denominados travestis e transexuais é maior se comparado aos jovens de um modo geral.

Pesquisadores apontam que esse grupo social tem maior tendência para a prática do suicídio, tentativa de suicídio ou ideação suicida, na faixa de 15 a 30 anos, em média. Mas a OMS - Organização Mundial da Saúde - não possui dados específicos destes grupos, pelo menos até 2016.

Michael F. Gliatto e Anil K. Rai desenvolveram um estudo, na Finlândia - cujos resultados foram publicados em 1999 - apontando que 22% das vítimas de suicídio, nesse grupo, haviam discutido com integrantes de equipes de saúde a intenção de se matar.

A chance de um homossexual cometer o suicídio é 5 vezes maior do que um indivíduo heterossexual. Grupos LGTB alegam que isso ocorre pela rejeição social e aumenta com a pressão contra leis de proteção como união estável de casal  e casamentos entre indivíduos do mesmo sexo. Jovens homossexuais, recusados pela família, tem tendência oito vezes maior de cometer suicídio.

Contra esse argumento afirma-se que a taxa de suicídios é grande em países, chamados de primeiro mundo, onde as leis pró LGTB avançaram na sociedade e, desta forma, o nível de preconceito é mínimo ou muito reduzido. Nos Estados Unidos uma pesquisa conduzida pela Universidade da Columbia sobre a relação orientação sexual e suicídio concluiu que os homossexuais tem maior tendência ao ato. Mesmo em regiões onde há menor preconceito, manifestam-se menos casos, mas as taxas ainda são maiores que entre jovens não homossexuais.

Analisa-se hoje que suicídios entre homossexuais ocorrem por egodistonia, isto é, uma pessoa não gostar de como é. Nessa condição há característico conflito psicológico embora a medicina de saúde mental observe que homossexualidade ou bissexualidade não sejam transtornos ou doenças. Buscar os motivos da ansiedade, angustias e sofrimentos interiores será a melhor abordagem?

O fenômeno suicida não parece pertencer a um grupo específico considerando que a cada 40 segundos alguém se mata, no planeta. Em números absolutos, evidentemente, suicidam-se mais heterossexuais que homossexuais por uma associação de fatores: calapso pessoal, contexto social, drogas, doenças mentais e perturbações por rejeição egodistônica.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

O massacre de policiais continua

Nos Estados Unidos morrem 64 policiais por ano. No Brasil, 500. O que os governantes fazem?
Por Edson Joel

Em média, entre 1980 a 2014, 64 policiais morreram por ano, em serviço, nos Estados Unidos. O país tem 363 milhões de habitantes e mais de 290 milhões de armas. A venda de arma é permitida. Porém, o número de mortos por armas de fogo nos Estados Unidos - cerca de 10 mil/ano - está muito longe dos quase 40 mil no Brasil onde a venda é rigidamente controlada para civis. Mas os criminosos estão mais equipados que a polícia.

Em 2014 ocorreram 51 mortes de policiais e, destes, 46 em incidentes com armas de fogo. Os demais foram atropelados de propósito e um perdeu a vida durante uma briga.

No Brasil a média chega a 500 policiais mortos por ano. Em todo Brasil, nos 5 primeiros meses de 2017, foram contabilizados 248 mortos. Em 2016 foram 477 mortos no ano. Até agosto de 2017, somente no Rio de Janeiro, 100 policiais tinham sido mortos na troca de tiros com bandidos. A média de mortos de policiais no Rio de Janeiro, nos últimos 22 anos, foi de 140 por ano, totalizando 3.087.

Entre os anos de 2009 e 2013 a polícia militar e civil mataram 11.197 pessoas. Neste mesmo período morram 1.770 policiais. Significa afirmar que a criminalidade aumentou e não que a polícia tornou-se mais violenta dentro da sua arquitetura institucional. Neste mesmo período os gráficos apontam para o crescimento do crime organizado no país na mesma proporção que as "autoridades" brasileiras desarmavam os civis.

Armas nas mãos de bandidos

Em em 2010 foram 36 mil mortos catalogados como vítimas de armas de fogo, no Brasil, um número quase 4 vezes maior que as mortes nos Estados Unidos (9.960 no mesmo período). Mas tem outro detalhe: os americanos tem 295 milhões de armas contra 15 milhões no Brasil, a maioria nas mãos de bandidos. Mata-se no Brasil 19,3 pessoas para cada 100 mil habitantes. Nos Estados Unidos, 3,2 mortos para cada grupo de 100 mil. A Venezuela, o país mais violento do mundo, este índice é de 39.

Partidos e crime organizado

A tentativa de reduzir a ação da polícia, desarma-la ou extingui-la é pensamento ideológico que objetiva conquistar os votos dos fora da lei e seus familiares e calar a classe média responsável pela movimentação da economia nacional. Políticos de esquerda associados à marginalidade - bolsas que contemplam familiares de presos - querem a contra partida eleitoral, seus votos.

Não há esperança de mudanças no país que assiste ao massacre anual de policiais sem se mover de forma a exigir do quadro político e dos comandantes da polícia, políticas de combate à violência e suporte para que seus soldados não sejam dizimados.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Ditos populares: de onde vem essas expressões?

General Marcus Licinius Crassus, consul da Roma liderou a Batalha de Carra e acabou morto aos 61 anos (53 AC). Crasso subestimou as forças do inimigo ignorando a tradicional formação romana de combate - um erro estúpido para os estrategistas - e ficou famoso pela expressão "erro crasso". Foi ele que derrotou Espartacus na batalha da Revolta dos Escravos.
Por Edson Joel

Fulano cometeu um erro crasso. Hoje estou à toa. Ela pensa que tem o rei na barriga e tantas outros ditos populares são repetidos pelos povos, ao longo dos tempos mas, poucos sabem, exatamente, de onde vem seus significados. Se você costuma usa-las, saiba das histórias que se contam de cada uma.

Vá às Favas ou São favas contadas

Favas, na verdade, são feijões brancos ou pretos, de vagens, que eram utilizados antigamente para proceder uma votação. Quando havia dúvidas, a comunidade se reunia e efetuava uma votação utilizando favas. Cada cor representava uma posição contra ou a favor. Os feijões eram colocados numa urna, como uma cédula. Portanto, "mandar às favas" era um pedido para votar, utilizando favas brancas ou pretas. A expressão "são favas contadas" refere-se a algo já decidido, um negócio seguro e certo da aprovação.

Elefante branco

Uma obra que não tem nenhuma utilidade, costumamos chamar de elefante branco. A expressão teria vindo dos costumes tailandeses. O Rei dava um elefante branco para um membro da corte que o desagradava. como punição. O elefante branco era animal sagrado naquela região e, por ser presente do Rei, não podia ser recusado. Restava ao punido passar o resto da vida alimentando e cuidando do animal com máximo zelo.


Erro Crasso

Crassus foi um general romano que subestimou a capacidade de reação dos soldados de Partos e sofreu uma derrota vergonhosa na batalha de Carra, quando morreu aos 61 anos (53 aC) junto com seu filho. Crasso fez parte do chamado Primeiro Triunvirato Romano (Júlio Cesar, Pompeu e Crasso). O general ficou famoso por várias vitórias em guerras, inclusive na Revolta dos Escravos, comandada por Espartacus. Quando alguém comete um erro grave por negligência, descuido ou irresponsabilidade, diz-se que foi um "erro Crasso".

Ficar à toa

Quando se refere que alguém está à toa diz-se de uma pessoa que não faz nada, a esmo, sem rumo própria, despreocupada, dependente. Toa, na verdade é uma corda que é lançada de um navio a outro para ser rebocado, conduzido ao porto ou a outro lugar. Fulano ficou andando à toa significa, sem rumo. Fulano cometeu um erro à-toa (com hífen) dá sentido de ter cometido um erro desprezível.

Farinha do mesmo saco

Vem de “Homines sunt ejusdem farinae” - homens da mesma farinha - a expressão "Farinha do mesmo saco" numa referência a pessoas iguais, com os mesmos conceitos e crenças reprováveis. Considere que uma farinha de qualidade é ensacada separada de farinhas com qualidade menor.


Com a corda toda ou a todo vapor

A pilha que toca a maioria dos relógios hoje, não existia antigamente e eles funcionavam com um sistema que usava uma peça em forma de espiral que, estirada ao máximo, gerava uma força que acionava várias engrenagens de tamanhos diferentes, movendo os ponteiros. Os brinquedos antigos também se utilizavam esse processo de "dar corda". Dai a expressão "fulano está com a corda toda" para se referir a alguém muito agitado.


"Estamos a todo vapor" é outra expressão antiga que se refere ao andamento célere de um projeto, empresa ou ação comparando-se a um trem que se movia a vapor de água. "Onde aperta o botão que desliga a bateria desse moleque" vem em substituição a "corda toda" e "vamos a jato" no lugar de "todo vapor".

Com o rei na barriga

Entre mulheres você já deve ter ouvido algo do tipo "ela pensa que tem o rei na barriga" ao se referir a outra que considere arrogante. Essa expressão vem do tempo em que as rainhas, quando grávidas, recebiam atenção e tratamento diferenciados considerando que elas estariam gerando um filho herdeiro da coroa que poderia tornar-se rei. A frase "ele pensa que tem o rei na barriga", biologicamente, portanto, está incorreta.

Ouvidos de mercador

O correto seria "Ouvidos de marcador" e não mercador. Marcador era o nome que se dava a pessoa que marcava os criminosos com ferro quente e que ignorava suas súplicas e os gritos de dor. "Origem das frases", de Orlando Neves, diz que a confusão foi uma corruptela de marcador e mercador. Da mesma forma que "corro de burro quando foge" e não "cor de burro quando foge".

                                                                              



Pagar o pato

A expressão que aponta um culpado ou responsável por algo reprovável vem de um jogo comum na Europa, particularmente em Portugal.

Um pato era amarrado num mastro e o cavaleiro, ao passar pelo poste, deveria arrancar o pato do local. O perdedor pagava o preço do animal sacrificado na disputa.


Corro de burro quando foge

Diz-se que um burro em fuga é perigoso. Imagine um português falando rapidamente a frase. No Brasil entendeu-se "cor" e não corro. Até hoje fala-se errado tal e qual "tramela" e não o correto taramela.

Santa do pau oco

Pessoa que demonstra ser honesta mas é o oposto. Para contrabandear pedras preciosas e ouro para Portugal utilizava-se imagens de santas esculpidas em madeira, ocas.

Salvo pelo gongo

Quando foi diagnosticada a catalepsia - doença que imobiliza o corpo embora as funções vitais permaneçam ativas, em ritmo muito lento e quase imperceptível - algumas pessoas eram enterradas em caixões com um dispositivo que ligava o pulso do morto a um sino, do lado de fora, através de uma cordinha. Uma pessoa ficava alguns dias observando o sino. Naquele período muitos caixões abertos tinham suas tampas, do lado interno, arranhadas por unhas.


Com a corda no pescoço

Antes do enforcamento de um condenado o carrasco aguardava o mensageiro trazendo a confirmação da pena ou sua suspensão, como ato de clemência. Nesses longos minutos o prisioneiro ficava com a corda no pescoço aguardando a execução. A expressão refere-se hoje a pessoas com problemas sérios, ameaçado ou financeiramente ruim.

Comer com os olhos

Na antiga Roma e algumas regiões da África ofereciam-se banquetes aos deuses cujos alimentos não podiam ser tocados. O rei e os convidados apenas olhavam o alimento ofertado, com reverência.

O amigo da onça

A história vem do caçador mentiroso que pôs uma onça em fuga só com um grito exuberante e não convenceu o amigo. Irritado o mentiroso perguntou se ele era seu amigo ou amigo da onça.

Onde judas perdeu as botas

Depois de trair Jesus, Judas enforcou-se numa árvore. Estava sem seus sapatos ou botas. Com ele não encontraram o dinheiro fruto da traição. Todos foram procurar as botas do Judas crendo que o dinheiro estaria lá.


Deixa de nhenhenhém

O significado de nhée, em Tupi, é falar. Quando os portugueses se aproximaram dos índios diziam que eles só ficavam no nhe-nhe-nhen porque não entendiam nada. O sentido hoje é resmungos e lamúrias infindáveis. O nhe-nhe-nhem agora virou mimimi, lamentações irritantes e constantes.

Maria vai com as outras


Diz-se de uma pessoa que não tem personalidade própria e que se convence facilmente seguir a opinião de outra. Conta-se que Dona Maria I - mãe de D. João - quando ficou louca só saia de seu quarto acompanhada por várias damas. Dai "Maria vai com as outras".


Mulher de paquete


A expressão surgiu por volta de 1800 quando, mensalmente, chegava um navio inglês ao porto do Rio de Janeiro. O navio chamava-se Paquete e sua bandeira era vermelha e a associação com a regra menstrual foi imediata.

Lágrimas de crocodilo

O falso choro advém do fato de o crocodilo, quando come sua presa, pressiona o alimento contra o céu da boca e comprimindo as glândulas lacrimais. Não são lágrimas verdadeiras, dai a expressão para se referir a alguém muito falsa.


Jurar de pés juntos

Na Santa Inquisição, quando torturados, os hereges tinham pés e mãos juntados para confessar seus pecados, surgindo dai a expressão.

Queimar as pestanas

Antigamente quando se dizia que alguém estava "queimando as pestanas" significava dizer que ele estava passando a noite estudando muito, à luz de velas. Quer dizer que ao se aproximar da luz enxergar algo corria o risco de queimar as pestanas.

Fazer à toque de caixa


Os exercícios e marchas militares são comandadas ao toque de caixa, instrumento acústico marcador de ritmo. Vamos fazer à toque de caixa quer dizer executar um serviço muito rápido e sob o comando de alguém.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

A revolta da vacina

Por Edson Joel

Brasil de 1904. A capital do país era o Rio de Janeiro, a maior cidade brasileira com 720 mil habitantes, então. O presidente Rodrigues Alves chama Oswaldo Cruz para assumir Diretoria Geral de Saúde, o grande problema nacional. O povo morria de febre amarela e varíola durante epidemias que grassavam por todos os cantos. A ignorância era outro grande mal do país que acabara de inaugurar a república.

Com tantas mortes o cientista e sanitarista Oswaldo Cruz lançou uma campanha contra o mosquito transmissor da doença com brigadas de mata mosca, limpando esgotos, ruas, terrenos e caixas d'água. A equipe usava força bruta para entrar nas casas e remover doentes compulsoriamente para os hospitais ou isolados.

Sanitarista Osvaldo Cruz, nascido em 1872
morreu aos 44 anos, em Petrópolis

O povo se irritou diante do "autoritarismo" das campanhas e se revoltou quando a vacinação contra a varíola tornou-se obrigatória. No dia 31 de outubro de 1904 a lei foi aprovada pelo Congresso e no dia 4 de novembro daquele ano irrompeu-se o que passou a ser chamada de Revolta da Vacina com graves confrontos entre populares e forças policiais. Dia 14 de novembro os Cadetes da Escola Militar também se rebelaram. Contidos os movimentos contra a vacinação, Oswaldo Cruz voltou ao comando.

- O bem coletivo poderia se sobrepor á liberdade individual? - perguntava a oposição política.

- O bem coletivo poderia se sobrepor à ignorância individual - respondiam os favoráveis a campanha.

A revolta não ocorreu apenas nas ruas mas, nas tribunas e imprensa. Rui Barbosa, o grande tribuno da Haia e então senador da república e contra a vacinação, usando de terror ao chamar a campanha de tirana e violenta, despachou, irresponsavelmente:


"A lei da vacina obrigatória é uma lei morta. .... Assim como o direito veda ao poder humano invadir-nos a consciência, assim lhe veda transpor-nos a epiderme. ..... Logo não tem nome, na categoria dos crimes do poder, a temeridade, a violência, a tirania, a que ele se aventura, expondo-se, voluntariamente, obstinadamente, a me envenenar, com a introdução, no meu sangue, de um vírus, em cuja influência existem os mais fundados receios de que seja um condutor da moléstia, ou da morte."

O povo destruiu a pavimentação de pedras, tombou bondes, quebrou lampiões e arrancou trilhos transformando as ruas do Rio de Janeiro em cenário de desolação. Canhões da marinha e soldados do exército atiraram contra o povo: 30 mortos, 110 feridos e quase mil presos. Os tumultos duraram até 16 de novembro. Muito mais tarde Rui Barbosa reconheceu o erro. A ciência venceu.







quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

A guerra que Napoleão venceu e ninguém lembra

Por Edson Joel

O que Napoleão Bonaparte tem a ver com o leite condensado, extrato de tomate, sopas, sardinhas e outros alimentos conservados em latas ou vidros?

Tudo. Tudo mesmo.
Foi Napoleão Bonaparte, o imperador dos franceses entre 1805 e 1815, que lançou um grande desafio: como sustentar centenas de milhares de soldados em constantes deslocamentos em períodos de guerra? O detalhe é que Napoleão vivia guerreando o tempo todo e precisava descobrir uma fórmula de alimentar suas tropas rápida e eficientemente.

Foi então que Nicolas Appert, em 1809, apresentou a Napoleão uma sopa engarrafada e ganhou 12 mil francos de prêmio pela descoberta que revolucionou o planeta: a conservação de alimentos. Appert fez uma sopa consistente e colocou dentro de garrafas de champagne - grandes, grossas e comuns na época  -  lacrou com rolhas de cortiça e ferveu em banho maria. O processo de fervura eliminou germes e bactérias facilitando a conservação do alimento. A sopa engarrafada resolveu o problema de Bonaparte e o front de batalha sempre tinha alimento disponível e com fartura. Nicolas Appert contou seu segredo num livro publicado anos depois. A França, naquela época, ainda não dominava a tecnologia das latas. 

O criador do processo achava que o segredo estava no fechamento da garrafa mas Louis Pasteur, por volta de 1846, mostrou que a conservação dos alimentos ocorria pela eliminação dos microorganismos através da fervura. Foi  Anton van Leeuwenhoek que primeiro descobriu a existência dos organismos microscópicos.

Os vasilhames de vidro foram substituídos por latas de ferro estanhado na Inglaterra que já dominava essa tecnologia. A patente foi vendida por Peter Durand que registrou o processo em 1810. Curioso observar que o abridor de latas só surgiu em 1815. Até então as latas eram abertas com talhadeiras e martelos.
Industrial e inventor Nicolas Appert
Vários inventos ou produtos tem origem bélica, isto é, descobertos ou criados como esforço para vencer guerras. Entre eles o "inocente" e delicioso leite condensado patenteado por Gail Borden em 1856 e utilizado pelas tropas do norte na guerra civil americana ocorrida entre 1861 a 1865. Terminada a guerra os soldados, ao retornarem, falaram do leite maravilhoso que explodiu em vendas em todo mundo.

Pois é, Napoleão venceu sua maior batalha. A batalha contra os micro-organismos e seu grande soldado foi Appert. 

PS: Nicolas Appert, industrial e inventor francês nasceu em  nasceu em Châlons-en-Champagne, na França em 17 de novembro de 1749 e morreu em 1 de junho de 1841. Consta que sua sopa começou a ser comercializada em 1795.

Seu livro A arte de conservar alimentos de origem animal e vegetal foi publicado em três edições e vendeu 6 mil exemplares.
Primeiras latas de ferro estanhadas e fábrica de conservas na Inglaterra



segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

O que falta para o cinema brasileiro?


Por Edson Joel

Segundo a Agência Nacional de Cinema (Ancine) o Brasil está produzindo mais filmes. Em 2016 foram 143 longas-metragens contra 70 filmes produzidos 10 anos antes. Mas, a bilheteria de filmes nacionais é um fiasco se comparada com produções estrangeiras.

Basta citar que só 22 filmes, destes 143 lançamentos, tiveram público acima de 100 mil espectadores, 4 atingiram 50 mil. Quase 100 filmes conseguiram público de 10 mil espectadores e quase 50 filmes tiveram menos de ml bilhetes vendidos.

Cerca de 184 milhões de espectadores foram ao cinema entre 2016 e 2017 tendo gerado uma renda bruta próxima de R$ 2,5 bilhões. Os filmes nacionais participaram com R$ 30,4 milhões desse total tendo Os Dez Mandamentos na liderança da venda de bilhetes.


Para se ter ideia da diferença, em 2009 o filme Avatar faturou quase U$ 3 bilhões em todo mundo e U$ 760 milhões só nos Estados Unidos. A bilheteria mundial de Titanic, em 1997, foi de U$ 2.8 bilhões e U$ 760 milhões em solo americano. Star Wars, de 2015 segue o mesmo caminho. Isso em dólares. O filme Jogos Vorazes (2013), colocado em 49º das melhores bilheterias de Hollywood faturou US$ 865 milhões (mundo) e US$ 424.7 milhões (salas americanas). 

O diretor Domingos Oliveira, em depoimento para o Globo diz que esse fracasso "é fruto de uma política de financiamentos sem eixo ou estratégia". Ele mesmo comenta o fiasco comercial do seu filme BR 716 - estrelado por Caio Blat e Sophie Charlotte - premiado em festivais e fracassado nas bilheterias.

— Recebemos, desde o primeiro dia, elogios inacreditáveis. No entanto, o filme é um estranho fracasso. Lotou as pouquíssimas salas em que esteve disputando espaço com os outros 142 porque não encontrou nenhuma distribuidora interessada, ainda que de pequeno porte, resultando numa bilheteria baixa. Lançamos o filme nós mesmos, perdemos dinheiro. O fato de “BR 716” não ser um produto autossustentável é o que chamo de escândalo — disse Domingos para o jornal O Globo.

As maiores bilheterias são Os dez Mandamentos (12 milhões), Tropa de Elite 2 (11 milhões), Minha Mãe é uma Peça (10 milhões), Se eu fosse Você 2 (6 milhões), Dois filhos de Francisco (5 milhões), De pernas pro Ar e Carandiru (4,8 milhões).

Porque o cinema nacional deve ter financiamento público se é puramente atividade econômica de interesse privado? Cinema é um negócio privado que deve dar lucros e deve ser administrado por profissionais e não por filósofos? Faltam distribuidores?

Hollywood depende unicamente de lotar salas e vender produtos associados aos seus lançamentos e para atrair espectadores é preciso bons roteiros e bons profissionais na produção, finalização, negociação com distribuidoras e no marketing. Cinema é negócio. É tudo que falta no cinema nacional.

Na contramão de tudo isso os sonhadores brasileiros esperam o aparecimento de distribuidoras e exibidoras que "apostem em produções independentes e autorais" abrindo salas que mantenham mais tempo filmes nacionais para atrair público. Porque a iniciativa privada se disporia a perder dinheiro se o objetivo de quem produz também é de faturar? Atrair espectadores não depende do tempo de permanência do filme, mas de um bom roteiro. É o que falta no cinema do país, segundo o produtor Dov Simens:

- Vocês não sabem contar histórias. Não têm experiência. Neste momento, são bebês nisso. E não se comparem a Hollywood: nós podemos ganhar dinheiro com qualquer coisa. O novo Super-Homem é um tédio, ninguém dá à mínima para a história. Mas, faz dinheiro.

Claro que, exageros à parte, Simens critica o amadorismo de como se leva o cinema nacional - muita filosofia, ideologia e péssimos roteiros - quando diz que só é preciso duas semanas para se escrever um roteiro. "Não entendo esses idiotas que vão aos festivais e dizem que trabalharam naquele projeto durante dois anos. Os Estados Unidos não vão te contratar se você vai levar dois anos para escrever um roteiro. São duas semanas. Tem gente aqui fazendo roteiro em duas semanas? Nem de longe" - critica Simens.

Ele diz que não há indústria de cinema no Brasil e que "o paísl é viciado em financiamento de filmes com dinheiro público". Sobre ausência de distribuidoras, Simens, falando para o iG, bate pesado:

- É só assinar um cheque. Como vocês não sabem isso? É tão simples. O negócio das salas de cinema é alugar cadeiras e vender doces. Se você quer seu filme no cinema, alugue. É óbvio. Acho fascinante que vocês não façam isso aqui. Pague. É um negócio. Vocês querem que os filmes de vocês sejam exibidos nos Estados Unidos? Aluguem nossos cinemas. Simples assim.

LEITURA RELACIONADA

Cinema brasileiro está viciado em financiamento público


Ex-professor de Tarantino e Spike Lee, norte-americano Dov Simens defende modo de produção privado para realizar filmes. Foto iG.
Por Edson Joel

Para Dov Simens - ex-professor de Tarantino e Spike - o cinema brasileiro está viciado em financiamento público para seus filmes ao contrário do que ocorre, por exemplo, nos Estados Unidos, onde a iniciativa privada busca recursos fora do eixo governamental para suas megas produções com mercado mundial. A Motion Picture Association of America diz que as seis indústrias que representa geram mais de 2 milhões de empregos além de contribuir com bilhões de dólares para a economia do país.

Ele tem percorrido o mundo pregando como se faz uma produção privada, sem depender dos editais públicos para gerar recursos para produções. Suas aulas não são artísticas, mas de negócios. Ele, de início, aconselha: roteiro simples com locação única e poucos atores.

Numa entrevista ao IG, em 2013, Simens diz que os produtores brasileiros "estão totalmente viciados no governo e no socialismo em termos de financiamento e negam a figura do empreendedor".

Ele defende o uso de merchandising como maneira de fazer entrar dinheiro no filme (atores usando carros de determinada marca ou o momento dramático da explosão ocorre frente a um grande luminoso da Pepsi, Sony...).
 

iG: Mas como conseguir o dinheiro para começar, sem ajuda do governo?

Simens: É preciso começar de baixo. Se quer que um estúdio de Hollywood te dê US$ 100 milhões (R$ 217,5 milhões) para fazer um filme, primeiro precisa fazer um de US$ 20 milhões (R$ 43,5 milhões) que dê lucro. Se não tem esse dinheiro, faça um de US$ 2 milhões (R$ 4,3 milhões) que dê lucro. Se também não tem esse dinheiro, faça um de US$ 200 mil (R$ 435 mil) ou de US$ 20 mil (R$ 43,5 mil). Se não tem US$ 20 mil, arrume um emprego. Trabalhe no Starbucks, economize. Estamos no capitalismo, não no socialismo. E há muitos milionários aqui que dão dinheiro para o balé e a ópera. O que ganham em troca? Nada. É possível apresentar projetos de cinema para eles, principalmente se estamos falando de US$ 10 mil ou US$ 20 mil. Ensino a fazer isso e, se for preciso, o crowdsourcing (modelo de negócios que arrecada dinheiro geralmente por doações online). Fiz isso apenas como experiência, como professor. Coloquei um vídeo na internet e expliquei o que queria. Em três dias tinha US$ 50 mil (R$ 108,7 mil), que depois devolvi.


iG: Um dos maiores problemas do cinema brasileiro hoje é a distribuição, já que o mercado fica principalmente nas mãos dos grandes lançamentos. Depois de conseguir produzir o filme independente, como fazer para que ele chegue às salas?

Simens: É só assinar um cheque. Como vocês não sabem isso? É tão simples. O negócio das salas de cinema é alugar cadeiras e vender doces. Se você quer seu filme no cinema, alugue. É óbvio. Acho fascinante que vocês não façam isso aqui. É claro que pode acontecer de naquela semana um cinema de dez salas não querer alugar uma delas para você, por mais que você pague, pois acredita que pode fazer mais dinheiro com outros filmes. É possível. Então por que você não lança o seu na semana que vem? É uma negociação. Não posso te dar uma resposta exata, mas preciso te deixar pensando: você pode lançar seu filme. Pague. É um negócio. Vocês querem que os filmes de vocês sejam exibidos nos Estados Unidos? Aluguem nossos cinemas. Simples assim.

iG: Acha que há mais espaço para o cinema brasileiro no exterior?

Simens: Tenho certeza de que vocês têm outros filmes bons além de "Central do Brasil" e "Cidade de Deus". Tenho certeza de que vocês têm histórias maravilhosas. Vocês fizeram cerca de 90 filmes no ano passado. Tenho certeza de que os americanos gostariam de quatro ou cinco. Mas os nossos distribuidores e nossos cinemas não vão pagar você, não vão levar você para os Estados Unidos, não vão fazer o seu marketing. Isso é burrice. Vocês pagam a gente. Se vocês querem filmes brasileiros nos Estados Unidos, aluguem nossos cinemas. E isso também agregará valor ao longa. Se tiver distribuição nos EUA, se tiver resenhas lá, se sairá melhor aqui no Brasil.

iG: Os festivais não são uma boa maneira de vender o filme para o exterior?

Simens: Há 25 anos existiam uns 12 festivais no mundo. Hoje, há entre 2 mil e 3 mil. Os representantes das distribuidoras vão a no máximo 20. Só importa se você for a um destes 20.

iG: Cineastas como Fernando Meirelles e Moacyr Góes disseram que faltam bons roteiros no Brasil . Como desenvolvê-los?

Simens: Vocês não sabem contar histórias. Não têm experiência. Neste momento, são bebês nisso. E não se comparem a Hollywood: nós podemos ganhar dinheiro com qualquer coisa. O novo Super-Homem é um tédio, ninguém dá à mínima para a história. Mas faz dinheiro. Então não se comparem com os blockbusters. Um roteiro de 90 páginas tem cerca de 50 cenas. A cada duas páginas, é preciso mudar algo. Não pode ser linear, tem de ser uma montanha-russa. Acho que ninguém aqui sabe disso. E só é preciso duas semanas para escrever um roteiro. Não entendo esses idiotas que vão aos festivais e dizem que trabalharam naquele projeto durante dois anos. Os Estados Unidos não vão te contratar se você vai levar dois anos para escrever um roteiro. São duas semanas. Tem gente aqui fazendo roteiro em duas semanas? Nem de longe. 

iG: Acha que a parceria com a televisão pode ser boa para o cinema brasileiro?

Simens: São duas indústrias diferentes, mas interligadas. Os empregos estão na televisão. Vocês aprenderam a fazer novelas. Fazem muito bem, são os reis das novelas. E aprenderam a vendê-las para a Coreia, o Japão, as Filipinas, que as traduzem para seu próprio idioma. Isso é um negócio, uma indústria estabelecida. Fazer televisão é mais difícil do que cinema, porque você tem o tempo exato, os comerciais. Qualquer um que consegue fazer uma sitcom de meia hora ou um drama de uma hora para a televisão consegue fazer um filme, porque trabalha pensando na eficiência. Sua indústria televisiva é ótima, mas também vai desaparecer. Porque com coisas como Tivo e DVR, que permitem gravar os programas, ninguém vai assistir aos comerciais e o dinheiro dos anúncios vai desaparecer. Os anúncios estão saindo da TV e indo para os filmes, inseridos como merchandising. Aqui a televisão sabe conseguir financiamento com anúncio, mas o cinema não. Nos EUA, os filmes se pagam em parte com anúncios. Você viu o novo "Super-Homem"? Aparece Mc Donald's, Sears...

iG: Mas não há o risco de ficar com cara de comercial?

Simens: Sempre que alguém me pergunta qual é meu filme preferido, respondo que é qualquer um que dê lucro. Acho uma resposta boa e correta. Mas geralmente as pessoas insistem e digo que, nos últimos dez anos, meu filme favorito é "Sex and The City 2". Achei incrível e não era nada além de um comercial. Tinha 96 logos naquele filme, cada um pagando entre US$ 300 mil (R$ 652,7 mil) e US$ 2,3 milhões (R$ 5 milhões) aos produtores e distribuidores. Eles pagaram o filme antes mesmo de fazê-lo. Acho isso genial. Adoro o negócio do cinema, acho mais fascinante do que fazer cinema. A arte, para mim, é o negócio.
Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/cinema/2013-06-20/cinema-brasileiro-esta-viciado-em-financiamento-publico.html

LEITURA RELACIONADA: O que falta para o cinema brasileiro