sábado, 14 de fevereiro de 2015

Pensamento positivo mais atrapalha que ajuda, sabia?

Por Edson Joel

Conheço pessoas que acreditam em pensamento positivo. Outras que nasceram otimistas e sempre discursam que amanhã será melhor. Conheço algumas que, por necessidade, passaram a acreditar que esse tipo de pensamento fomenta atitudes vencedoras.  Sempre duvidei disso.

Entre otimistas e pessimistas prefiro acreditar nos realistas que, ao contrário dos primeiros, não sonham, mas planejam. Planejar é bem diferente de sonhar. Os que sonham criam expectativas que, quebradas, jogam o sonhador na depressão tamanha ansiedade criada. O realista tem "um pé atras" - não gera muita ansiedade mas prevê facilidades e dificuldades conforme as suas habilidades - e é, as vezes, confundido como pessimista. Ou niilista.

Pois bem. Gabriele Oettingen, professora de psicologia na Universidade de Nova York e da Universidade de Hamburgo depois de pesquisar durante 20 anos sobre o tema concluiu que o pensamento positivo mais atrapalha que ajuda. É disso que ela fala no seu livro Repensando o Pensamento Positivo. Foi para o psicólogo americano Martin Seligman - defensor da psicologia do positivismo - que Gabriele começou a trabalhar nos Estados Unidos, em 1980. Depois que iniciou os experimentos sobre o equilíbrio físico e mental das pessoas é que ela descobriu que a pesquisa que embasaria o novo livro de Seligan sobre positivismo, tinha efeito oposto.

Lastreada por experimentos científicos ela afirma que para conquistar algo não basta imagina-lo realizado e que é preciso trabalhar duro. Para Gabriele o pessimismo não vence batalhas. Nem o otimismo faz isso.

Sonhar com um futuro brilhante não vai torna-lo realidade se não se trabalhar muito - diz ela. As experiências mostraram que as pessoas que não ignoram as dificuldades de um projeto atingem melhores resultados dos que "pensam positivo" e permitem que seu exagerado otimismo mascare a realidade do caminho a ser trilhado. Os positivistas desperdiçam energia e foco e são ultrapassados pelos que não desconsideram a realidade dura a enfrentar. Os que sonham tiram os pés do chão.

Os "otimistas" que planejam e não tiram os pés do chão, reconhecendo as dificuldades a enfrentar, tem índices de sucesso maiores do que os que sonham com um futuro colorido. É a ciência contra as crendices.

Mais recentemente a Academia Americana de Ciências publicou que elogios positivos em excesso aos filhos podem torna-los narcisistas e eles virem a enfrentar problemas na vida adulta. Os pesquisadores acompanharam 600 crianças, entre sete e doze anos, e seus pais. "Você é o melhor, você é mais inteligente, você é superior" são frases que não tornarão os filhos melhores, ao contrário, quando enfrentarem reveses entrarão em crise.