terça-feira, 13 de dezembro de 2016

O professor não tem culpa

O vexame do Ensino Médio começa no primeiro ano do Ensino Fundamental
Por Edson Joel

O professor não tem culpa pela tragédia da educação brasileira. Apesar da sua precária formação,  são os menos responsáveis por esse caos. O problema está centrado no processo de alfabetização utilizado no Ensino Fundamental, métodos que não alfabetizam. Os parâmetros Curriculares Nacionais introduziram teorias pedagógicas mofadas que a ciência já condenou faz mais de 25 anos e que confundem os professores. E alunos.


Os resultados estão ai: no 5.º ano do ensino fundamental, a criança não consegue entender o que lê. Considere que, pelo método fônico, qualquer criança brasileira pode ser alfabetizada em menos de um ano. Isso já ocorre em muitos municípios que abandonaram as cartilhas federais.

Diante de resultados ruins, o MEC criou os projetos Alfabetização na Idade Certa (copiando um projeto do governo do Ceará), Ler e Escrever e EMAI, este último para melhorar o ensino de matemática. Nada adiantou e os resultados pioraram.

Os mesmos enganos pedagógicos são repetidos por muitos governos estaduais e municipais em suas cartilhas próprias e com resultados trágicos. Sequer as escolas públicas fazem uma adequada apresentação dos fonemas e grafemas, essencial no processo de alfabetização ou atividades próprias para desenvolver fluência de leitura. Os autores das cartilhas do MEC consideram
importante a promoção do "letramento, a intertextualidade, os usos sociais da língua e suas múltiplas linguagens..." mas jogam código alfabético no lixo. O método utilizado nas escolas públicas brasileiras não alfabetiza.

Quem afirma isso são os maiores neurocientistas do planeta e todos os resultados de avaliações conhecidas. Todos, inclusive do Terceiro Estudo Regional Comparativo e Explicativo, divulgados em julho de 2015, no Chile, que colocam a educação Fundamental do Brasil em posições decepcionantes. Nossos alunos ocuparam os mais baixos níveis de aprendizado (I e II numa escala que chega a IV). A avaliação, que é coordenada pelo Escritório Regional de Educação da UNESCO, considerou o desempenho de 134 mil alunos do ensino fundamental, de 15 países, em matemática, leitura e ciências.

O MEC ainda insiste em teorias ultrapassadas que a ciência condena, apesar dos resultados péssimos nos últimos 25 anos. Com o avanço da neurociência os países desenvolvidos adotaram os métodos fônicos pela sua evidente superioridade como Coreia do Sul, Japão, China, Hong-Kong, Singapura... ,os tops do ranking em educação no mundo.
Só o Brasil, México, Argentina e alguns latinos persistem no erro. É bom lembrar que todos eles estão nas últimas posições do PISA.

As novas orientações curriculares dos Estados Unidos romperam, definitivamente, com teorias ultrapassadas ao publicar novas orientações curriculares. Nenhum projeto educacional tem apoio governamental ou privado naquele país caso  a base curricular seja, por exemplo, construtivista.

Falta investimento na educação brasileira? Sim, mas a essência do problema é a formulação da política de alfabetização. Mesmo porque, apesar do Brasil triplicar seus investimentos em educação na última década, nada melhorou. Em 2012, por exemplo, o país foi o 15º que mais investiu, no mundo, entre todos os participantes do PISA. Mas continuamos na rabeira. Como explicar, por exemplo, que o Vietnã, destruído por uma guerra violenta, uma economia paupérrima e investimentos infinitamente menores que o Brasil, está no topo da educação e nós, nas últimas colocações? Uma intelectóide do MEC disse que a Coreia do Sul investe três vezes mais que o Brasil. Mas ela não disse que os coreanos investem quatro vezes menos que os Estados Unidos que amargam um 22º colocado contra os primeiros lugares dos asiáticos. E que países latino americanos que ficaram à frente do Brasil investem 10 vezes menos que nós. 

Falta melhor formação para os professores? Sim, mas eles foram treinados para replicar bobagens pedagógicas que nem os professores unespianos entendem. Falta melhor salário na área? Sim, ganhos melhores incentivam mas, nem isso ajudará a promover avanços se mantidos os atuais métodos de alfabetização.

Salas de aulas com número reduzido de alunos, segundo estatística do PISA, tem ganho irrelevante e a desculpa do nível social é desmentido por outros números da OCDE - Organização de Cooperação para o Desenvolvimento Econômico - que mostram que os alunos mais pobres de Xangai sabem mais matemática que os alunos mais ricos dos Estados Unidos e Europa. O Brasil tem exemplos de regiões paupérrimas com excelentes índices na educação, a maioria no Ceará. Em 6 anos algumas escolas subiram o Ideb de 2,9 para 7,2. Na classificação do Ideb de 2015, das 100 melhores escolas públicas do Ensino Fundamental dos anos iniciais, 77 são do Estado do Ceará. As 24 melhores escolas classificadas entre as 100, são todas daquele estado com notas 9,8. O segredo é que essas escolas abandonaram as invencionices pedagógicas e partiram para os métodos fônicos.


É preciso colocar a neurociência em sala de aula para vencermos essa guerra que já vitimou milhões de jovens que continuam analfabetos, protagonistas dos maiores fracassos da nossa educação. Pior é lembrar que o processo é irreversível. Em 2015 o Brasil ficou em 63ª posição em ciências (401 pontos), na 59ª em leitura (407 pontos) e na 66ª colocação em matemática (377 pontos).

É preciso compreender que o vexame do Ensino Médio brasileiro começa no primeiro ano do Ensino Fundamental.