sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Glutamato Monossódico faz mal?

O uso constante desse sal pode causar, além das dores de cabeça e dores nas articulações, ganho de peso, hipertensão, formigamento, erupção cutânea, falta de ar, taquicardia, dores nos músculos e distúrbios no sistema nervoso.


Por Edson Joel

Sabe aquela sua dor de cabeça que, sem motivos, vai e volta, sem explicação? Ou aquela quase enxaqueca perturbadora e irritante que ninguém consegue descobrir a causa? Ou aquelas dores nas articulações, parecidas com artrite? Ou a pressão arterial que "do nada", aumenta?

Pois bem, prepare-se para descobrir que as causas podem estar dentro da sua casa, guardadas na cozinha. Chama-se glutamato monossódico ou GMS (sal sódico do ácido glutâmico), um aminoácido (aminoácido é a molécula que forma a proteína) encontrado na maioria dos alimentos processados para realçar o sabor de alimentos como hambúrgueres, sopas, batatas fritas, salsichas, molhos para saladas, carnes defumadas e grelhadas, condimentos preparados, molhos e biscoitos. Aji-No-Moto é seu nome comercial.

O uso constante desse sal pode causar, além das dores de cabeça e dores nas juntas, hipertensão, formigamento, erupção cutânea, falta de ar, taquicardia, ganho de peso, dores nos músculos e distúrbios no sistema nervoso.

"Brain lesions, obesity, and other disturbances in mice treated with monosodium glutamate" (lesões cerebrais, obesidade e outros distúrbios em ratos tratados com glutamato monossódico), de John Olney, pesquisador e professor de Psiquiatria, Patologia e Imunologia da Universidade de Washington é um estudo que os "defensores" do sal não conseguem contestar. O consumo de GMS aumenta a concentração de ácido glutâmico no organismo e isso pode desencadear o transtorno de hiperatividade. Já se associou este sal com depressão, fadiga, dores no peito e náuseas. Quimicamente o glutamato é 78% ácido glutâmico livre, 21% sódio e 1% de contaminantes, considerado excito-toxina, uma substância que estimula células.

O médico Robert Ho Man Kwok foi o primeiro a estabelecer relação entre o mal estar que sentia depois de comer em restaurante chinês com o glutamato. Em 1968 ele escreveu para o New England Journal of Medicine e o assunto tornou-se conhecido. Este aminoácido é comum em muitos alimentos, incluindo cogumelo seco, tomate, queijo parmesão e até mesmo no leite materno. Entretanto, os problemas relatados vem do consumo de GMS proveniente da cana de açúcar, presente na maioria dos alimentos industrializados.

A Federação das Sociedades Americanas de Biologia Experimental, a pedido da Food and Drug Administration (FDA) - órgão norte americano que regula o comércio de alimentos - promoveu uma avaliação de todos os estudos científicos a respeito. Concluíram que havia "evidências suficientes apontando para a existência de um grupo de indivíduos saudáveis que reagiam mal a altas doses de glutamato", geralmente uma hora após a ingestão de 3 gramas ou mais de glutamato, diluído em água. O experimento, entretanto, deveria considerar o consumo do sal misturado em alimentos e não em água.

E, segundo a FDA, o consumo diário da maioria dos indivíduos, no ano 2000, era de 0,55 gramas. Atualmente a presença do glutamato nos alimentos processados é quase 80% e a concentração consumida é muito maior. Mesmo assim a FDA considerou seguro seu consumo. O site do fabricante tenta desqualificar as denúncias.

A experiência de uma família, sem glutamato

Durante anos uma família de Marília, de nosso relacionamento, consumiu fartamente Aji-No-Moto na comida caseira e em restaurantes. Os três filhos se queixavam de dores nas juntas e constantes dores de cabeça. Uma delas fez tour em diversos especialistas para descobrir o que provocava dores nas articulações dos pés, sem sucesso. O marido, apesar da boa saúde, queixava-se de dores de cabeça e taquicardia constantes e a esposa incluía, além, pressão alta.

Somente alguns anos após a morte da mulher e um novo casamento, percebeu-se a diminuição drástica dos problemas, em pouco tempo: a nova esposa não usa glutamato na comida de casa. Ela mesma já tinha vivido uma experiência de falta de ar, pressão alta, alteração no ritmo de batimentos cardíacos e dores de cabeça constantes, até abolir este sal do seu cotidiano. Alertados, os filhos passaram a evitar o consumo do glutamato com fantásticos resultados. O que se pensou ser artrite herdado da mãe era, na verdade, resultado do consumo de Aji-No-Moto.

Se você tem dúvidas a respeito, faça uma experiência bem simples: deixe de usar glutamato ou de comprar alimentos processados com este sal. O único inconveniente é ter que ler os rótulos dos produtos para descobrir se contém glutamato monossódico ou não. Vale a pena e você não corre nenhum risco.

Glutamato monossódico

Composto químicoFórmula: C5H8NO4Na
IUPAC: Sodium 2-Aminopentanedioate
Massa molar: 169,111 g/mol
Ponto de fusão: 232 °C
Densidade: 1,62 g/cm³
Classificação: Aminoácido
Solúvel em: Água

Fontes de pesquisa: BBC Brasil, LUCAS, D.R. and NEWHOUSE, J. P. The toxic effect of sodium-L-glutamate on the inner layers of the retina. AMA Arch Ophthalmol 58: 193-201, 1957. – Link: http://archopht.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=625186 OLNEY, J.W. Brain lesions, obesity, and other disturbances in mice treated with monosodium glutamate. Science 164: 719-721, 1969. – Link: http://www.sciencemag.org/content/164/3880/719, FAO Nutrition Meetings -Report Series No. 48A WHO/FOOD ADD/70.39 TOXICOLOGICAL EVALUATION OF SOME EXTRACTION SOLVENTS AND CERTAIN OTHER SUBSTANCES” – Link: http://www.inchem.org/documents/jecfa/jecmono/v48aje09.htm / "Brain lesions, obesity, and other disturbances in mice treated with monosodium glutamate" (lesões cerebrais, obesidade e outros distúrbios em ratos tratados com glutamato monossódico). Autor: John Olney, pesquisador e professor de Psiquiatria, Patologia e Imunologia da Universidade de Washington.