quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Vietnã: cadê o comunismo que estava aqui?

Faz 40 anos que os norte americanos foram expulsos do Vietnã, tomado por comunistas depois de contabilizar mais de 2 milhões de vítimas em toda guerra. O socialismo não funcionou e o Vietnã se transformou num dos mais importantes países capitalistas do planeta. E suas fábricas trabalham para os americanos. O comunismo perdeu, de novo
Por Edson Joel

A guerra do Vietnã começou, na verdade, em 1955, mas foi a partir de 1959 que as escaramuças provocadas pelos guerrilheiros do norte se tornaram mais sérias. O país se dividiu ao meio - comunistas, do norte, apoiados pela China e soviéticos - e o sul, que a partir de 1965 passou a receber um maior apoio bélico dos Estados Unidos, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia.

Foi a guerra do socialismo x capitalismo. Os americanos perderam 58 mil soldados até o final do conflito. Em 30 de abril de 1975, Saigon, capital do sul, caiu e o Vietnã passou a se chamar República Socialista do Vietnã e Saigon se chama hoje Ho Chi Minh, líder dos vencedores. Quase 4 milhões de soldados do norte e sul morreram no conflito que acabou envolvendo também a Coreia do Sul que lutou ao lado dos americanos. Os comunistas venceram a guerra.

E o que virou o Vietnã?


Vietcong executado em Saigon

O sonho capitalista dentro do Vietnã: as conquistas sociais e melhor qualidade de vida chegaram pelo livre mercado. Restam dois países comunistas fundamentalistas: Coreia do Norte onde 18 dos 24 milhões habitantes passam fome e a falida Cuba até então liderada por um patético. Cuba, em menos de um ano, será o novo paraíso capitalista, sem Fidel.