segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Não esperem milagres dos novos prefeitos.

A bomba relógio: a crise instalada pelo petismo explode no colo dos prefeitos
Por Edson Joel

Incrível, mas a frase "o brasileiro não tem memória" parece ser correta. De repente todos se esqueceram que o país vive sua mais grave crise econômica e institucional - instalada pelo governo petista - e passam a creditar aos novos prefeitos a obrigação e o dever de resolver todas as mazelas que não lhes cabe.

Basta ouvir as manifestações de puro otimismo vindas das quase 5 mil e 500 cidades brasileiras que empossaram seus novos prefeitos e o tamanho da confiança que depositaram neles. Em alguns casos, específicos, até com razão. Mas, na maioria, os governantes municipais eleitos e ungidos como salvadores da pátria viverão os mesmos efeitos da maior crise econômica instalado no país e suas consequências, vividas pelos anteriores, sem por ou tirar. Com certeza, até pior.

Ao apostar que um prefeito possa mudar a paisagem econômica da sua cidade é esquecer que o Brasil está em falência, inflação alta e PIB baixo graças a irresponsabilidade de Lula, Dilma e petistas idiotizados por ideologias que fracassaram no mundo inteiro. E o fundo do poço ainda não chegou. O índice de desempregados aumentou e a atividade industrial não reage. Como um prefeito conseguirá fomentar a economia da cidade diante desse quadro? Sequer os repasses federais e estaduais tem chegado aos municípios e, quando chegam, vem com atrasos imensos. Milagres em economia, não existem. Portanto, não esperem milagres dos novos prefeitos.

Paulo Ziulkoski, presidente da Confederação Nacional de Municípios, diz que os prefeitos eleitos enfrentarão um “cenário terrível” causado pela crise financeira mesmo que reduzam seus quadros de funcionários - geralmente inchado por compromissos com as coalizões eleitorais - como as mais de 45 mil secretarias municipais. “Se os prefeitos deixarem os partidos indicarem ocupantes de cargos, o colapso é garantido”, afirma ele.

Cerca de 77,4% dos municípios brasileiros, dos 3.155 que informaram o seu quadro financeiro ao Tesouro Nacional, estão no vermelho. A informação é da Confederação Nacional dos Municípios divulgada em agosto deste ano. Cerca de 402 prefeituras do Estado de São Paulo registraram déficit e no Rio Grande do Sul, 371 cidades. Mais de 576 prefeituras atrasaram salários. O quadro do trimestre final de 2016 foi de catástrofe considerando que houve queda violenta na arrecadação tributária sem contar que o Fundo de Participação dos Municípios em 2016 tinha previsão de R$ 100 bilhões e não chegará a R$ 80 bilhões. Os custos municipais com a previdência dos funcionários aumentaram quase 14% entre 2014 e 2015 enquanto as receitas subiram apenas 6,81% em cidades acima de 200 mil habitantes.

Com a PEC dos Gastos já funcionando neste ano, os novos prefeitos terão que demitir e reduzir os serviços prestados à população ao nível mínimo. Portanto, diante de um quadro nacional de catástrofe econômica, poucas alternativas restarão aos novos prefeitos. Michel Temer - o que segurou a escada para os ladrões e não objetiva candidatura nas próximas eleições - toma medidas antipopulares tentando ficar para a história como o presidente das reformas da previdência, trabalhista, tributária e política, essenciais para o Brasil sobreviver. A PEC do teto de gastos foi o começo. Mas até os resultados chegarem, vai tempo.


Pelas redes sociais soam infantis, quase ridículas, as manifestações de esperanças que parte da população deposita nos novos prefeitos sob o argumento que o anterior não fez porque não quis. O novo também não fará ou pouco conseguirá, com certeza. E não deverá ser culpado por tal.