domingo, 29 de janeiro de 2017

O muro de Donald Trump

Bill Clinton começou a construção do muro em 1994. Trump disse que vai termina-lo.
Por Edson Joel

O anúncio da construção de um muro para separar Estados Unidos e México, feito pelo republicano Donald Trump, causou estrondosa repercussão no Brasil, principalmente na esquerda tupiniguin. Nas redes sociais não faltaram críticas contundentes ao presidente americano eleito, taxado com todos os piores nomes possíveis. e imagináveis.

No LinkedIn um cidadão com jeito moralista e com toda pompa de um desses PC - politicamente correto - lamentou que "isso será um retrocesso social e fraterno". Nos faces da vida uma petista disparou que "uma ideia dessas só poderia vir de uma mente doentia como a de Trump".

O que mais impressiona não é nem o plano proposto do muro, mas a ignorância da esquerda brasileira ou pelo menos que se diz petista, inclusive de muitos professores e dos "intelectuais" ignorantes.

O muro já existe


O muro que Trump diz que vai construir para combater a imigração ilegal, já existe em boa parte da fronteira entre os dois países. São mais de 1.130 quilômetros, cerca de um terço de toda divisa e sua construção começou em 1994, durante o governo do presidente democrata Bill Clinton que havia lançado o programa anti-imigração, denominado "Operation Gatekeeper". Clinton não apenas começou a construção do muro mas instalou forte iluminação, detectores de movimento, sensores eletrônicos e policiamento com visão noturna, vigilância com veículos terrestres e helicópteros. A construção continuou nos governos Bush e inclusive, de Barack Obama, que dobrou o número de vigilantes, ampliou seu comprimento e reformou vários trechos, mais recentemente. O muro já cobre mais de 34% da extensão fronteiriça e Trump disse que vai concluir os mais de 3.200 quilômetros restantes.

Por que separar os dois países?


Negros e brancos americanos perderam empregos com a invasão de imigrantes latinos ilegais. Foi exatamente a promessa de combater duramente a imigração ilegal que convenceu a maioria negra do país a votar em Trump. Considere que, até então, os negros americanos acompanhavam o Partido Democrata. Michele Obama foi a TV impor que "negros tem que votar nos Democratas, independente de quem seja o candidato". Isso causou revolta  entre eles e nas redes sociais do país explodiram frases do tipo "ninguém vai me obrigar a ficar em senzala", referindo-se ao Partido Democrata e chamando Michelle de "Capitão do Mato". Deu no que deu: Trump recebeu a maior votação dos negros americanos, particularmente na Flórida, berço democrata.

Muros foram construídos, ao longo da história, em varias regiões, por questões de segurança, como o Muro da China (21.196 quilômetros) contra a invasão dos bárbaros mongóis, de Israel (760 quilômetros) receiando a chegada de terroristas árabes ou o de Berlin, já derrubado, construindo pelos comunistas para separar ideologias.