quarta-feira, 30 de julho de 2014

E agora, Dilma? Vai ameaçar o banco alemão, também?


Banco alemão alerta seus investidores sobre o "risco" Dilma.

O Deutsche Bank passou a alertar seus clientes sobre a possibilidade de Dilma Rousseff reeleger-se e causar danos em seus investimentos. Na análise do banco alemão espera-se uma eleição que só se decida no segundo turno. 

Segundo o jornal Estadão, "em nota enviada a clientes ontem, o estrategista para mercados emergentes do Deutsche Bank, Hongtao Jiang, rebaixou o peso dos títulos soberanos do Brasil em dólar de “neutro” para “underweight” (abaixo da média dos títulos que compõem a carteira sugerida para mercados emergentes), o que levaria os investidores a reduzir as suas aplicações nos papéis brasileiros em favor de outros países emergentes."

A nota do banco alerta que Dilma usa apelo populista para conseguir votos e que o mercado possa estar muito otimista com uma possível melhora do Brasil num segundo mandato da candidata. Segundo comunicado do banco, "o nível atual de preços dos títulos brasileiros não compensa o risco" considerando o atual quadro da economia brasileira com inflação alta, baixo crescimento, piora  na balança de pagamentos e falta de melhor perspectivas da economia agora e depois das eleições.

O comunicado diz que “a popularidade dela continuará caindo nas pesquisas de opinião decorrente do péssimo momento da economia e também em razão de uma crise de energia, uma investigação no congresso e dificuldades ao sediar a Copa do Mundo”.  A nota do banco alemão também vê chances de Lula substituir Dilma.

Jiang lastreou sua análise no comportamento populista de Dilma que já anunciou um reajuste de 10% nos valores do Bolsa Família e a correção do IR em 4,5% para o próximo ano além de considerar que a inflação continua alta. Ele avalia que, havendo havendo racionamento de energia, o ritmo industrial cairá piorando a economia.

E agora, Dilma, vai ameaçar o banco alemão também como fez com o Santander no Brasil?