quinta-feira, 31 de julho de 2014

Catástrofe na economia brasileira


O fim do Brasil?

Algo próximo a uma catástrofe está por acontecer, em menos de um ano, no Brasil. Esta previsão é da Empiricus Research, uma empresa de pesquisas e previsões financeiras. A candidata Dilma já está tentando calar a publicidade dessa empresa, veiculada pela internet e os
 motivos alegados são os mesmos utilizados contra o Santander - que covardemente demitiu o analista de mercado - por publicar uma nota em que afirma que a bolsa sobe quando Dilma cai nas pesquisas, um fato. O principal banco alemão acabou de repetir o mesmo conselho.

E, de um modo geral, a população ignora os fatos relevantes que vem ocorrendo com a economia do país e toca a vida como se nada anormal estivesse ocorrendo. Embora os sinais sejam mais perceptíveis nos supermercados por conta da inflação alta, a economia, em todas as áreas, está entrando em colapso. Com sua estagnação o desemprego aumentará de forma dramática e os salários retrairão consideravelmente. O crédito ficará restrito e as vendas despencarão. Haverá grande endividamento das famílias.

Os fatos analisados correspondem com as previsões: o crescimento da economia é um dos menores desde 1990 e deverá fechar 2014 menor que 0,9%; registrou-se a maior queda na oferta de postos de trabalho desde maio de 92; péssimo resultado nas contas públicas na história do país; o pior deficit na conta corrente em maio e uma taxa de juros que explodirá em 2015 - em torno de 12% -, quando os Estados Unidos aumentarão a sua para atrair investimentos. Soma-se a inflação alta, muito acima da previsão de 4,5% e além do teto de 6,5%.

Pior que tudo isso é que a inflação anunciada não é verdadeira considerando que muitos preços são manipulados pelo governo, como da gasolina, energia e tarifas de transporte. Hoje ela gira em torno de 10% se se desconsiderar seu atual congelamento.

De 1990 a 1994, a inflação anual média foi de 1.210% enquanto o crescimento do PIB não passava de 1,3%. Estamos voltando a essa época. Respirava-se desconfiança e não havia investimento privada em meio ao caos de tabelamentos de preços e planos econômicos para tentar conter uma alta mensal de 80%.

Os investidores estão sendo orientados a não investir no Brasil por conta de suas ações econômicas restritivas, prática de erros constantes e excesso de interferência do Estado no mercado. Felipe Miranda, sócio da Empiricus Research, prevê que o caos econômico provoque instabilidade social com o aumento de assaltos, roubos, sequestros, latrocínios e sugere que "governos desesperados podem tomar atitudes desesperadas" como bem conhecemos da vizinha Venezuela e Argentina. Pra não sair do nosso território, relembre que Collor bifou seu dinheiro no banco.

Uma das possibilidades é o aumento de impostos sobre movimentação financeira. Comprar dólar e euro é a sugestão que mais se ouve de especialistas da área. A Empiricus Research lançou uma campanha chamada O Fim do Brasil? onde ensina como proteger seu dinheiro.

Entre otimistas e pessimistas deposite sua confiança em quem não acredita em papai noel, coelhinho da páscoa e político ético. O resto é ditadura.

LEITURA RELACIONADA:
Começa a crise no país