sexta-feira, 1 de agosto de 2014

A história de uma caloteira



Cristina é uma péssima dona de casa, adora bajular as pessoas com presentes, frequenta bons restaurantes e  se veste bem. Não lhe faltam jóias e sapatos e seus filhos tem carros do ano. O problema é que Cristina não tem um salário que cubra tantos gastos e, frequentemente, socorre-se a empréstimos bancários. Sua conta vive no vermelho e, na hora de acertar o pagamento dos empréstimos, reclama dos juros bancários.

Ao longo dos anos ela acumulou muitas dívidas. Cobrada com insistência, sem resultado, parte dos seus credores concordaram em receber apenas 30% do valor real da pendência. Orientada a não gastar mais que ganha, Cristina prometeu se corrigir.

Mas a festa da gastança não parou.

Pela quinta vez, novamente as dívidas se acumularam. Cristina, de novo, prometeu pagar parte dos credores com 30% do valor apenas alegando que a vida estava difícil. Alguns concordaram em receber pelo menos isso pra não perder tudo, mas muitos dos credores, dessa vez, disseram não. Queriam receber tudo. O caso foi levado à justiça.

Para convencer o juiz da sua boa intenção, Cristina quis pagar os credores que aceitaram menos. Mas o juiz, conhecedor da sua longa história de caloteira, sentenciou: os que aceitaram receber menos serão solidários com os que querem receber a dívida integral. Se Cristina não pagar o que deve a todos, ninguém recebe.

Cristina não tem mais crédito e não pode comprar em nenhuma loja porque seu nome foi negativado. E ainda leva o nome de caloteira. E quem quer negociar com caloteiros?

Cristina reclama dizendo que os banqueiros são abutres, que cobram juros altíssimos. Alguns acreditam na lorota. Como Dilma, sua amiga de infância, que está cometendo a mesma asneira.