domingo, 12 de abril de 2015

The New York Times: o caos na Vanezuela

SIMON ROMERO
GIRISH GUPTA
DE "THE NEW YORK TIMES", EM CARACAS23/02/2015 12h19
Compartilhar6,9 milTweetar31446



Para vislumbrar a desordem que a economia da Venezuela vive, entre em uma agência de viagens em Caracas e reserve uma passagem aérea de ida e volta para Maracaibo, do outro lado do país: o preço é de apenas US$ 16. Você quer um livro para ler durante a viagem? Para quem tiver moeda forte em mãos, "50 Tons de Cinza" sai por US$ 2,50. Esqueceu o creme dental? Um tubo de Colgate custa sete centavos de dólar. Grande pechincha, não?
Jorge Silva - 13.fev.2015/Folhapress
Nota de cem bolívares com a inscrição "desvalorizado" é colocada em mercado de Caracas
Nota de cem bolívares com a inscrição "desvalorizado" é colocada em mercado de Caracas

Mas para a maioria dos venezuelanos, desprovidos de acesso fácil a dólares, preços surreais como esses refletem uma imensa desvalorização cambial, uma economia em contração - o Produto Interno Bruto (PIB) deve cair em 7% este ano por conta da queda do petróleo - e controles de preços que produzem escassez aguda de produtos como leite, detergente e camisinhas.

"Vi pessoas morrerem na mesa de operações porque não dispúnhamos dos instrumentos básicos de cirurgia", disse Valentina Herrara, 35, pediatra em um hospital público de Maracay, cidade próxima de Caracas. Ela disse que seu plano é procurar outro emprego, porque conseguir manter as contas em dia com seu salário mensal de 5.622 bolívares - US$ 33 pela nova taxa de câmbio recentemente adotada - era impossível.

Diante de índices de aprovação em queda livre por conta do choque econômico que abala os venezuelanos, o presidente Nicolás Maduro vem intensificando a repressão aos seus oponentes, como reflete a detenção de Antonio Ledezma, o prefeito de Caracas, na semana passada; ele foi indiciado por acusações de conspiração e complô para promover um golpe de Estado com apoio dos Estados Unidos. Maduro, protegido do presidente Hugo Chávez, que morreu em 2013, vem adotando tom cada vez mais estridente no discurso contra os oponentes da chamada "revolução bolivariana".

Como prova contra a oposição, Maduro citou uma carta aberta veiculada este mês que pede um "acordo nacional de transição", e que levava a assinatura de Ledezma; Leopoldo López, outro líder oposicionista aprisionado há um ano; e María Corina Machado, política de oposição acusada em dezembro de conspirar para o assassinato de Maduro.

"Na Venezuela, estamos impedindo um golpe apoiado e promovido do norte", afirmou Maduro no Twitter, no final de semana. "A agressão do poder dos Estados Unidos é total e acontece diariamente". Maduro está se inspirando em Chávez, que foi derrubado durante alguns dias em 2002 por um golpe de Estado realizado com aprovação tácita do governo Bush, e depois transformou as críticas a Washington e o encarceramento de pessoas acusadas de golpismo em um dos traços que definiram seu governo.

Mas o Departamento de Estado norte-americano contesta as imputações de Maduro e diz que os Estados Unidos não estão promovendo a inquietação na Venezuela. Ao mesmo tempo, as ações de Maduro apontam para um endurecimento no tratamento dos líderes oposicionistas. Dos 50 prefeitos oposicionistas da Venezuela, 33 estão enfrentando processos judiciais relacionados a protestos antigovernamentais que causaram 43 mortes no ano passado, de acordo com Gerardo Blyde, prefeito de Baruta, uma cidade na periferia de Caracas.

Um proeminente prefeito oposicionista, Daniel Ceballos, de San Cristóbal, está na prisão há um ano, enquanto outro, Enzo Scarano, da cidade industrial de San Diego, no Estado de Carabobo, foi transferido da cadeia para a prisão domiciliar, no mês passado, devido à deterioração de sua saúde.
A prisão de Ledezma, 59, que foi eleito democraticamente mas privado da maior parte de sua autoridade em 2009, levou até mesmo alguns analistas pró-Chávez a questionarem a decisão de Maduro. Embora Ledezma tenha aderido a uma facção oposicionista linha dura chamada "a Saída", no ano passado, ele não era visto como especialmente influente ou importante. "Alimentar suspeitas é uma tática de distração para desviar a atenção da imensa desvalorização cambial que tivemos de suportar", disse Nicmer Evans, consultor político pró-Chávez que está entre as figuras de esquerda que agora se opõem abertamente a Maduro. "O que não fica claro é a prova de qualquer delito, neste caso".

Com a inflação disparando para 68%, as autoridades venezuelanas estão tentando administrar a crise econômica por meio de uma complexa teia de três taxas oficiais de câmbio. Por exemplo, alguns produtos básicos são importados ao câmbio de 6,3 ou 12 bolívares por dólar, mas uma nova taxa flutuante de câmbio de cerca de 171 bolívares por dólar foi adotada na semana passada, o que reflete uma desvalorização real de quase 70% na moeda da Venezuela.

No mercado negro, que alguns venezuelanos usam para realizar transações básicas, o dólar tem cotação ainda mais alta, da ordem de 190 bolívares. Mesmo para alguns dos adeptos mais leais de Chávez, Maduro não parece estar à altura de enfrentar a corrida por moeda forte. Jorge Giordani, um dos principais assessores econômicos de Chávez, declarou este mês que a Venezuela estava se tornando "piada" na América Latina, mencionando a corrupção e a burocracia labiríntica como fatores que acentuam o atoleiro econômico. "Precisamos reconhecer a crise, camaradas", disse Giordani, a quem o presidente demitiu no ano passado de seu posto como ministro das Finanças e Planejamento.

De fato, alguns economistas dizem que a hesitação do governo em reformar seus complexos controles cambiais pode intensificar os problemas econômicos da Venezuela."O sistema está completamente descontrolado", disse Francisco Rodríguez, economista chefe do Bank of America Merrill Lynch para a região andina, enfatizando que a disparada nos preços pode em breve ingressar no reino da hiperinflação, acelerando para os três dígitos este ano e para mais de 1.000% em 2016 se as políticas atuais forem mantidas. Maduro parece reconhecer que algumas mudanças econômicas profundas são necessárias na Venezuela, detentora das maiores reservas mundiais de petróleo, o que cria a ilusão de riqueza inexaurível.

Ele apoia um aumento no preço da gasolina, que custa menos de três centavos de dólar por litro à taxa oficial de câmbio mais forte; existe resistência considerável a essa medida mesmo que os subsídios ao combustível custem mais de US$ 12 bilhões (R$ 34,8 bilhões) ao ano para o governo.

Haverá eleições legislativas este ano e os partidários de Maduro parecem vulneráveis, e por isso o presidente está tentando escorar sua base. A despeito das queixas generalizadas sobre as dificuldades econômicas e os índices elevados de crimes violentos, há quem continue leal a Maduro por conta da vasta gama de programas sociais do governo. Para alguns venezuelanos que enfrentam dificuldades para se manter, a desordem econômica que veem em torno deles explica por que o presidente decidiu tomar os oposicionistas como alvo.

"Maduro está apavorado, e por isso está usando métodos mais totalitários, usando a polícia para colocar políticos na prisão", disse Eduardo de Sousa, 28, assistente em um laboratório farmacêutico. "Eles sabem que a revolução acabou, e estão com medo".

Tradução de PAULO MIGLIACCI
Folha de São Paulo