quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Dirceu desiste do emprego

O presidente do Hotel Saint Peter, de Brasília, é um auxiliar de
escritório que mora num bairro pobre da capital do Panamá.

Advogados de Dirceu deliram e acusam imprensa

"Tendo em vista o linchamento midiático instalado contra José Dirceu e contra a empresa que lhe ofereceu trabalho, anunciamos que o ex-ministro decidiu abrir mão da oferta de emprego" diz uma nota assinada pelos advogados de José Dirceu, José Luis Oliveira Lima e Rodrigo Dall''Acqua.

Na falta de argumentos jurídicos, os advogados preferiram - para justificar os gordos honorários - atuar como grupo partidário, invocando que o condenado a 10 anos e 10 meses por corrupção e formação de quadrilha no processo do mensalão é um perseguido da imprensa. A nota, eminentemente de caráter político, soa tão frágil quanto as acusações de internautas financiados pelo governo federal que alegam pressão da mídia.


Dirceu recebera proposta para gerenciar um hotel em Brasilia - Hotel Saint Peter - com oferta de um salário de R$ 20.000, mas, diante das denúncias de que a empresa hoteleira possa estar metida em maracutaias fiscais e financeiras, o ex-ministro condenado desistiu alegando "sofrimento vivido pelos empresários". Basta dizer que o presidente do hotel é um auxiliar de escritório que trabalha numa banca de advogados no Panamá e mora num bairro pobre da capital. E, depois das denúncias, rapidamente o contrato social foi alterado.

Sem base jurídica para contrapor, os advogados falam que seu cliente tem sido "alvo de ódio e perseguição" e acusam a mídia de atuar de forma que impeça que seu cliente possa trabalhar.

José Luis Oliveira Lima e Rodrigo Dall''Acqua deveriam, na ausência de melhores argumentos, se calarem. Mas perderam esta chance.

PS: a revista Veja publica hoje que "a Cooperativa Sonho de Liberdade, da qual integram oitenta presidiários, formalizou no Supremo Tribunal Federal (STF) oferta de emprego para o trio petista formado por José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares. No caso do ex-ministro da Casa Civil, a proposta é para ser administrador da parte de fabricação de artefatos de concreto, com salário de 508,50 reais, vale-transporte e refeição no local de trabalho."