segunda-feira, 23 de março de 2015

O caminho para a ditadura no Brasil

Segundo Lula, o Foro São Paulo foi uma ideia dele numa reunião com Fidel, crédito difícil diante de tantas mentiras contadas por ele. Esquerda, narcotraficantes, sequestradores e criminosos, na mesma mesa.
Por Edson Joel

Felipe Moura Brasil, articulista da Revista Veja, resumiu o que é o Foro de São Paulo e concluiu: este é o maior inimigo do Brasil. O Foro de São Paulo é um congresso de governantes de "esquerda", terroristas, sequestradores, narcotraficantes e criminosos comuns. O evento nasceu em 1990 de uma reunião entre Lula e Fidel Castro. O objetivo é implantar, no mundo, ideais "socialistas" e, para tal, não importam os meios para se conseguir os resultados: terror, sequestro, tráfico de drogas, assaltos, corrupção e violência armada.

Entre participantes do Foro estão os membros das Farc - Forças Armadas Revolucionárias Colombianas, movimento conhecido por arrecadar dinheiro com tráfico de drogas - e o Movimiento de Izquierda Revolucionária, o MIR, do Chile, especializado em sequestro e pedidos de resgate. Esse foro atuou escondido no Brasil até 1997, quando foi descoberto e divulgado na imprensa. O encontro é realizado em vários países latino-americanos. Entrevistas e vídeos mostram abertamente suas estratégias e táticas e a convivência do PT com os grupos narcotraficantes da Colômbia, como diz o próprio Hugo Chavez, em vídeo de 2008.


"Governantes de esquerda sentados na mesma mesa
com narcotraficantes e sequestradores". Veja o vídeo.


O próprio comandante das Farc, Raúl Reyes, morto pelo exército colombiano, disse para a Folha de São Paulo, em 2003, que seu grupo mantinha contatos estreitos com o PT. Citou que sacerdotes católicos que lideravam movimentos como sem-terras e sem-teto mantinham contatos com o grupo guerrilheiro colombiano além de jornalistas, estudantes e sindicalistas. Entre os contatos citou Frei Beto.

O PT sempre negou o fato, confirmado por documentos e entrevistas de Reyes à Folha e Chavez, no vídeo acima, por exemplo. Para Olavo de Carvalho, o discurso de Lula em 2005, para comemorar os 15 anos do Foro, "é a confissão explícita de uma conspiração contra a soberania nacional". O Brasil acabou, por essas vias, adotando decisões tomadas por uma cúpula estrangeira formado também por criminosos que traficam drogas e sequestram pessoas para a obtenção de recursos. Em várias ocasiões Lula mentiu sobre o assunto que, mais tarde, ele mesmo confirmou.

O uso de dinheiro vindo das drogas e a associação de partidos de esquerda com o crime organizado é um fato comprovado. Olavo de Carvalho cita que "o traficante Fernandinho-Beira Mar confessou a compra de toneladas de cocaína das Farc em troca de armas contrabandeadas do Líbano. Mais tarde a polícia do Rio prendeu 18 traficantes do Comando Vermelho que viajavam frequentemente até a fronteira com a Colômbia para "pegar drogas" com os comandantes das Farc. Na contrapartida, PCC e Comando Vermelho lançam ataques para aterrorizar a população próximos das eleições.

Lista também que em 2001 Lula lançou um manifesto de apoio à guerrilha colombiana e condenando o governo do país pelas ações militares contra as Farc. Em 2003 se negou a classificar as Farc como grupo terrorista. Em 2005 os narcotraficantes tinham enviado 5 milhões de dólares para a campanha de Lula, assunto "investigado" de maneira suspeita e nunca comprovado oficialmente.

Mais tarde, o "padre" Medina, acusado de trazer os milhões de dólares ao PT, recebeu asilo político do governo de Lula. Em 2008, durante o Foro São Paulo, em Montevidéu, o tom dos discursos foi contra o "imperialismo americano", capitalismo e extrema direita.

O vice-almirante da Venezuela, Iván Carratú, em mensagem do exterior, denunciou que seu país já estava nas mãos de Fidel Castro desde 1992. Lula fez campanha para Chavez e Maduro, responsáveis pela morte de dezenas de jovens estudantes que saíram em manifestações contra a ditadura no país.

al e qual na Venezuela, o PT vai aparelhando o judiciário para obter sentenças favoráveis em embates nesse campo. Exemplo: inocentar corruptos. O mesmo ocorre no Equador, Bolívia, Argentina. Pior, muito pior, é o aceno de Dilma ao terrorismo internacional. Sua intervenção, na ONU, em favor do Estado Islâmico e o recente assassinato de Nisman, promotor que apresentaria provas de participação dos Kirchners no atentado contra uma sinagoga na argentina que matou 85 judeus.


Em resumo: o comunismo faliu na URSS, caiu o Muro da Vergonha na Alemanha Oriental comunista, a China adotou o capitalismo, Cuba está falida e reatou com os Estados Unidos como salvação do seu povo, a Coreia do Norte é a vergonha mundial do socialismo com 18 dos 23 milhões de habitantes passando fome, a Venezuela e Argentina estão no mesmo caminho de desordem e total desabastecimento e o Brasil caminha para uma ditadura.

Montevideu, 2008: o mesmo discurso mofado e ódio
contra norte-americanos
Lula diz que o povo cubano tem mais dignidade
que o brasileiro.

Olavo de Carvalho enumera os cinco crimes do Foro de São Paulo, em texto de agosto de 2013:

1) Deu abrigo e proteção política a organizações terroristas e a quadrilhas de narcotraficantes e sequestradores que nesse ínterim espalharam o vício, o sofrimento e a morte por todo o continente, fazendo mesmo do Brasil o país onde mais cresce o consumo de drogas na América Latina.

2) Ao associar entidades criminosas a partidos legais na busca de vantagens comuns, transformou estes últimos em parceiros do crime, institucionalizando a ilegalidade como rotina normal da vida política em dezenas de nações.

3) Burlou todas as constituições dos seus países-membros, convidando cada um de seus governantes a interferir despudoradamente na política interna das nações vizinhas, e provendo os meios para que o fizessem “sem que ninguém o percebesse”, como confessou o sr. Lula, e sem jamais ter de prestar satisfações por isso aos seus respectivos eleitorados.

4) Ocultou sua existência e a natureza das suas atividades durante dezesseis anos, enquanto fazia e desfazia governos e determinava desde cima o destino de nações e povos inteiros sem lhes dar a mínima satisfação ou explicação, rebaixando assim toda a política continental à condição de uma negociação secreta entre grupos interessados e transformando a democracia numa fachada enganosa.

5) Gastou dinheiro a rodo em viagens e hospedagens para muitos milhares de pessoas, durante vinte e três anos, sem jamais informar, seja ao povo brasileiro, seja aos povos das nações vizinhas, nem a fonte do financiamento nem os critérios da sua aplicação. Até hoje não se sabe quanto das despesas foi pago por organizações criminosas, quanto foi desviado dos vários governos, quanto veio de fortunas internacionais ou de outras fontes. Nunca se viu uma nota fiscal, uma ordem de serviço, uma prestação de contas, um simulacro sequer de contabilidade. A coisa tem a transparência de um muro de chumbo.