sábado, 21 de março de 2015

Privatizar ou não privatizar?

Por Edson Joel

Muitos se dizem contra as privatizações. Mas não explicam exatamente porque ou, vociferam em defesa do patrimônio público. Desconhecem a história, os fatos, mas querem manter um discurso nacionalista, politicamente correto.

Privatização é o processo de venda de uma empresa do governo (federal, estadual ou municipal) para o setor privado. Isto é feito através de leilões públicos. Em alguns casos o governo continua dono, mas como sócio minoritário.

O termo privatização surgiu na década de 1930, no jornal The Economist, na Inglaterra. Igual a privatizar é desestatizar, isto é, deixa de pertencer ao patrimônio do Estado. 

A maioria dos países de primeiro mundo privatizou suas empresas públicas, antes dirigidas por políticos, de forma ineficiente. Nas mãos dos empresários, mas com exigências em contrato para prestação serviços de qualidade e baixo custo, os resultados foram exuberantes. Os investimentos que os governos fariam nas empresas estatais passaram a ser aplicados em outras áreas. 

No Brasil, o setor de telefonia é um bom exemplo de privatização. Antes, os telefones eram monopólio do Estado. Os serviços eram ruins, sem tecnologia, custos altíssimos e não atendiam a demanda. Muita gente queria telefone mas as empresas públicas não conseguiam expandir. Resultado: uma linha de telefone fixo chegava a custar entre R$ 3 a R$ 20 mil reais, conforme a cidade e a área. Telefone celular era limitado e custava muito. Ter telefone, antes da privatização, era sinal de riqueza tamanha a dificuldade para conseguir um.

Quando a área foi privatizada, no final da década de 90, isto é, saiu das mãos do governo e passou para empresas privadas, as ofertas de linhas e telefones explodiram caindo os preços de forma razoável, melhorando a tecnologia e com grandes investimentos passou a gerar mais empregos.

Só para se comparar: vinte anos atrás o Brasil tinha uma média de 8,4 telefones para cada 100 habitantes. Os Estados Unidos, na mesma época, 66 por 100 pessoas. Atualmente o Brasil tem mais celulares que seu número de habitantes. Se dependêssemos do investimento estatal, ainda estaríamos na idade medieval da telefonia. 
Por ideologia, os governantes de esquerda querem as empresas nas mãos do Estado. Assim foi na extinta URSS, Alemanha Oriental, Cuba. O resultado todos conhecemos: faliram. 

Considere que todos os setores, nas mãos do governo brasileiro, não funcionam: saúde, rodovias, portos, segurança, educação e as estatais, ineficientes como a Petrobras, tem servido de cabide de emprego e fonte de corrupção. Portanto, não há interesse que essa "mina de recursos" saia das mãos políticas. Nos Estados Unidos não há uma única petroleira que pertença ao governo e lá não se argumenta que o setor seja mantido estatal por ser estratégico.


Privatizar ou não privatizar?

Os países mais desenvolvidos do mundo privatizaram. Os mais atrasados, como Nigéria, Venezuela, Rússia e Brasil, não.