segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Cinema brasileiro está viciado em financiamento público


Ex-professor de Tarantino e Spike Lee, norte-americano Dov Simens defende modo de produção privado para realizar filmes. Foto iG.
Por Edson Joel

Para Dov Simens - ex-professor de Tarantino e Spike - o cinema brasileiro está viciado em financiamento público para seus filmes ao contrário do que ocorre, por exemplo, nos Estados Unidos, onde a iniciativa privada busca recursos fora do eixo governamental para suas megas produções com mercado mundial. A Motion Picture Association of America diz que as seis indústrias que representa geram mais de 2 milhões de empregos além de contribuir com bilhões de dólares para a economia do país.

Ele tem percorrido o mundo pregando como se faz uma produção privada, sem depender dos editais públicos para gerar recursos para produções. Suas aulas não são artísticas, mas de negócios. Ele, de início, aconselha: roteiro simples com locação única e poucos atores.

Numa entrevista ao IG, em 2013, Simens diz que os produtores brasileiros "estão totalmente viciados no governo e no socialismo em termos de financiamento e negam a figura do empreendedor".

Ele defende o uso de merchandising como maneira de fazer entrar dinheiro no filme (atores usando carros de determinada marca ou o momento dramático da explosão ocorre frente a um grande luminoso da Pepsi, Sony...).
 

iG: Mas como conseguir o dinheiro para começar, sem ajuda do governo?

Simens: É preciso começar de baixo. Se quer que um estúdio de Hollywood te dê US$ 100 milhões (R$ 217,5 milhões) para fazer um filme, primeiro precisa fazer um de US$ 20 milhões (R$ 43,5 milhões) que dê lucro. Se não tem esse dinheiro, faça um de US$ 2 milhões (R$ 4,3 milhões) que dê lucro. Se também não tem esse dinheiro, faça um de US$ 200 mil (R$ 435 mil) ou de US$ 20 mil (R$ 43,5 mil). Se não tem US$ 20 mil, arrume um emprego. Trabalhe no Starbucks, economize. Estamos no capitalismo, não no socialismo. E há muitos milionários aqui que dão dinheiro para o balé e a ópera. O que ganham em troca? Nada. É possível apresentar projetos de cinema para eles, principalmente se estamos falando de US$ 10 mil ou US$ 20 mil. Ensino a fazer isso e, se for preciso, o crowdsourcing (modelo de negócios que arrecada dinheiro geralmente por doações online). Fiz isso apenas como experiência, como professor. Coloquei um vídeo na internet e expliquei o que queria. Em três dias tinha US$ 50 mil (R$ 108,7 mil), que depois devolvi.


iG: Um dos maiores problemas do cinema brasileiro hoje é a distribuição, já que o mercado fica principalmente nas mãos dos grandes lançamentos. Depois de conseguir produzir o filme independente, como fazer para que ele chegue às salas?

Simens: É só assinar um cheque. Como vocês não sabem isso? É tão simples. O negócio das salas de cinema é alugar cadeiras e vender doces. Se você quer seu filme no cinema, alugue. É óbvio. Acho fascinante que vocês não façam isso aqui. É claro que pode acontecer de naquela semana um cinema de dez salas não querer alugar uma delas para você, por mais que você pague, pois acredita que pode fazer mais dinheiro com outros filmes. É possível. Então por que você não lança o seu na semana que vem? É uma negociação. Não posso te dar uma resposta exata, mas preciso te deixar pensando: você pode lançar seu filme. Pague. É um negócio. Vocês querem que os filmes de vocês sejam exibidos nos Estados Unidos? Aluguem nossos cinemas. Simples assim.

iG: Acha que há mais espaço para o cinema brasileiro no exterior?

Simens: Tenho certeza de que vocês têm outros filmes bons além de "Central do Brasil" e "Cidade de Deus". Tenho certeza de que vocês têm histórias maravilhosas. Vocês fizeram cerca de 90 filmes no ano passado. Tenho certeza de que os americanos gostariam de quatro ou cinco. Mas os nossos distribuidores e nossos cinemas não vão pagar você, não vão levar você para os Estados Unidos, não vão fazer o seu marketing. Isso é burrice. Vocês pagam a gente. Se vocês querem filmes brasileiros nos Estados Unidos, aluguem nossos cinemas. E isso também agregará valor ao longa. Se tiver distribuição nos EUA, se tiver resenhas lá, se sairá melhor aqui no Brasil.

iG: Os festivais não são uma boa maneira de vender o filme para o exterior?

Simens: Há 25 anos existiam uns 12 festivais no mundo. Hoje, há entre 2 mil e 3 mil. Os representantes das distribuidoras vão a no máximo 20. Só importa se você for a um destes 20.

iG: Cineastas como Fernando Meirelles e Moacyr Góes disseram que faltam bons roteiros no Brasil . Como desenvolvê-los?

Simens: Vocês não sabem contar histórias. Não têm experiência. Neste momento, são bebês nisso. E não se comparem a Hollywood: nós podemos ganhar dinheiro com qualquer coisa. O novo Super-Homem é um tédio, ninguém dá à mínima para a história. Mas faz dinheiro. Então não se comparem com os blockbusters. Um roteiro de 90 páginas tem cerca de 50 cenas. A cada duas páginas, é preciso mudar algo. Não pode ser linear, tem de ser uma montanha-russa. Acho que ninguém aqui sabe disso. E só é preciso duas semanas para escrever um roteiro. Não entendo esses idiotas que vão aos festivais e dizem que trabalharam naquele projeto durante dois anos. Os Estados Unidos não vão te contratar se você vai levar dois anos para escrever um roteiro. São duas semanas. Tem gente aqui fazendo roteiro em duas semanas? Nem de longe. 

iG: Acha que a parceria com a televisão pode ser boa para o cinema brasileiro?

Simens: São duas indústrias diferentes, mas interligadas. Os empregos estão na televisão. Vocês aprenderam a fazer novelas. Fazem muito bem, são os reis das novelas. E aprenderam a vendê-las para a Coreia, o Japão, as Filipinas, que as traduzem para seu próprio idioma. Isso é um negócio, uma indústria estabelecida. Fazer televisão é mais difícil do que cinema, porque você tem o tempo exato, os comerciais. Qualquer um que consegue fazer uma sitcom de meia hora ou um drama de uma hora para a televisão consegue fazer um filme, porque trabalha pensando na eficiência. Sua indústria televisiva é ótima, mas também vai desaparecer. Porque com coisas como Tivo e DVR, que permitem gravar os programas, ninguém vai assistir aos comerciais e o dinheiro dos anúncios vai desaparecer. Os anúncios estão saindo da TV e indo para os filmes, inseridos como merchandising. Aqui a televisão sabe conseguir financiamento com anúncio, mas o cinema não. Nos EUA, os filmes se pagam em parte com anúncios. Você viu o novo "Super-Homem"? Aparece Mc Donald's, Sears...

iG: Mas não há o risco de ficar com cara de comercial?

Simens: Sempre que alguém me pergunta qual é meu filme preferido, respondo que é qualquer um que dê lucro. Acho uma resposta boa e correta. Mas geralmente as pessoas insistem e digo que, nos últimos dez anos, meu filme favorito é "Sex and The City 2". Achei incrível e não era nada além de um comercial. Tinha 96 logos naquele filme, cada um pagando entre US$ 300 mil (R$ 652,7 mil) e US$ 2,3 milhões (R$ 5 milhões) aos produtores e distribuidores. Eles pagaram o filme antes mesmo de fazê-lo. Acho isso genial. Adoro o negócio do cinema, acho mais fascinante do que fazer cinema. A arte, para mim, é o negócio.
Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/cinema/2013-06-20/cinema-brasileiro-esta-viciado-em-financiamento-publico.html

LEITURA RELACIONADA: O que falta para o cinema brasileiro