quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Comunistas da Coreia do Norte fuzilam integrantes do governo: eles assistiam novelas da Coreia do Sul.

O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-um,
Por Edson Joel

O governo comunista da Coreia do Norte fuzilou cerca de 50 integrantes do governo sob acusação de crimes contra o Estado. Entre estes, cerca de 10 membros faziam parte do Partido dos Trabalhadores, liderado por Kim Jong-Un. Todos morreram com tiros de fuzil e tinham sobre eles acusações de crimes de suborno, atos promíscuos e porque assistiam novelas da tv sul coreana.

Antes, Kim Jong-Un tinha mandado matar seu tio Jang Song-thaek em dezembro de 2013. Kim Jong-Un assumiu o governo comunista com a morte do pai. Na época, o Partido Comunista do Brasil - aqui liderado por Aldo Rabelo, atual ministro dos Esportes - enviou carta de condolências ao "grande líder" coreado. O pai de Kim tinha a mesma fama do filho: assassino contumaz.

Como em Cuba, país também comunista, a população da Coreia do Norte só pode assistir ou ouvir emissoras de TV e rádio pertencentes ao estado. O governo impede que o povo saiba o que acontece além das suas fronteiras. A Coreia do Norte é o país mais pobre do mundo e dos 24 milhões de habitantes, 18 milhões passam fome. Ao contrário da Coreia do Sul, uma das economias mais prósperas do capitalismo.

Para burlar a falta de liberdade, fitas com filmes e novelas da Coreia do Sul são vendidas no mercado negro do país comunista. A informação do fuzilamento foi dada pelo serviço de inteligência da Coreia do Sul.

Leia mais:
Coreia do Norte X Coreia do Sul