quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

O velhote assassino de Cuba

Raúl Castro: São 86 mortes na lista tornada pública pelo
Arquivo Cuba na prisão, 46 suicídios de presos e 15 homicídios
Relatório revela o lado negro de Raúl Castro


28 de dezembro de 2013
Pablo Afonso

O governo de Raul Castro tem um impressionante recorde de mais de 200 casos de assassinatos e desaparecimentos em Cuba, 166 deles documentados, durante os sete anos de seu mandato como Cuba Archive revela em seu último relatório.

A lista relaciona 86 mortes de presos por recusa de assistência médica na prisão, 46 suicídios de presos e 15 execuções. A contagem inclui os presos mortos em greve de fome:. Wilman Villar Mendoza, Orlando Zapata Tamayo, Roberto Ramirez e Yordanis Ballagas Rivalta Antonio Junco, e qualifica-se a morte de Oswaldo Paya Sardinas e Harold Cepero Escalante como supostas execuções extrajudiciais.

Há dois casos relatados como desaparecimentos forçados. O primeiro identificado como Alberto Sigas Hechevarría, 32 anos, membro de um grupo de oposição pacífica, que havia sido ameaçado de morte por agentes de segurança do Estado.  Em 15 janeiro de 2010, deixou sua casa para visitar a sua mãe e nunca mais foi visto. Sua esposa informou seu desaparecimento. A polícia informou, três dias depois, que ele fora detido na sede Villa Marista da Segurança do Estado. Mas nunca mais voltou.

Em condições semelhantes desapareceu o ativista político, Amelio Franco Roberto Alfaro, 62 anos, que saiu de casa pela última vez em 20 de maio de 2009, assinala o Cuba Archive.

O relatório inclui 10 páginas, entre 31 de julho de 2006 até 15 de dezembro de 2013 e está disponível no site cubaarchive.org.

Cuba Archive é um programa do Projeto Sociedade Livre (FSP), uma organização independente fundada em 2001, em Nova York, presidido por Maria Werlau, a fim de promover o respeito pelos direitos humanos e preservar a memória histórica através de pesquisa, bolsas de estudos e publicações. A organização tem uma ampla base de dados digitais que documentam os crimes políticos em Cuba desde o triunfo da revolução de Fidel Castro, há 55 anos.

Pablo Alfonso, en 1971 fue condenado a 20 años de cárcel por dirigir junto a otros jóvenes de procedencia cristiana un movimiento opositor contra el régimen de Fidel Castro. Indultado en 1979, viajó a Miami donde todavía reside.

Entrevista a María Werlau por Carmen María Rodríguez

  • Descargar