terça-feira, 8 de novembro de 2016

Fenômenos paranormais


Por Edson Joel

De repente, e de forma assustadora, as pedras caíram sobre o telhado da casa provocando medo em sua moradora. Era noite e dona Isabel, uma senhora com seus 70 anos, rapidamente ligou para o filho contando o ocorrido. Alguns vizinhos ainda cercavam o local quando Cidinho chegou. Filho único, ele estava prestes a se casar depois de enrolar a noiva por 15 anos. Já beirava os 40 e tantos de idade.

Duas semanas antes ele mesmo presenciara fenômenos estranhos na casa da mãe, onde também morava, como panelas voando na cozinha ou objetos se quebrando na sala. Os vizinhos estavam tão amedrontados quanto dona Isabel.

- Eu vi a panela voando - contou uma delas. A narrativa era idêntica: do nada vinha um estrondo e objetos caiam.

Algum tempo depois Cidinho me confidenciou essa história, demonstrando intensa preocupação. Contou os muitos sustos e o medo que começava apavora-lo. O que estava ocorrendo? Poderia ser um sinal do além?

- Pra quando está marcado seu casamento? perguntei-lhe.

- Daqui dois meses. Mas, o que isso tem a ver com o que lhe contei? - respondeu Cidinho, reperguntando.

- Tudo. O único recado que observo é da sua mãe e não do além - disse. É ela que esta provocando isso pra chamar sua atenção - acusei, sem a preocupação de ferir suscetibilidades.

- Minha mãe é séria e não faria isso - defendeu Cidinho.
- Você é filho único e a sensação de perda é o sentimento da sua mãe.

E fiz uma proposta.

- Quando voar panela na sua casa, fique espreitando por trás dela - sugeri.

Um mês depois, chorando, Cidinho contou-me que viu a mãe, furtivamente, jogando os objetos e as pedras no telhado. Nada era do além e o mistério estava desvendado. Na verdade eu tinha seguido alguns conselhos do Padre Quevedo, estudioso e professor de parapsicologia que afirmava que 99% dos chamados fenômenos paranormais ou "coisas do além" eram fraudes. Diz Quevedo que "o povo, mesmo culto, quando não sabe explicar um fato, em vez de admitir sua ignorância o atribui ao além". Eu tinha lido muito sobre o assunto e o entrevistei algumas vezes tal e qual o Benoni, professor de português nas escolas de Tupã e estudioso do tema.

Levei para o rádio muitas matérias com Padre Quevedo, ex-professor universitário de parapsicologia na UNISAL e no Centro Latino-Americano de Parapsicologia (hoje Instituto Padre Quevedo de Parapsicologia), um tema que sempre me atraiu durante minha vida de jornalista.

Todo fenômeno que transcende o conhecimento científico ou as leis da natureza, pode ser considerado paranormal. No Brasil a parapsicologia não é reconhecida como ciência baseando-se nos atuais métodos que produzem conhecimento científico. Entre vários exemplos de fenômenos parapsíquicos em estudo estão a telecinésia, telepatia, clarividência, precognição, transposição de sentidos, psicometria, poltersgeit, apport, aparições, materialização e desmaterialização.


Um fenômeno considerado comum entre as pa universo ser constituído e sustentado por energia. Norte americanos e russos investem muito nesse tipo de pesquisa.

Exemplo de telecinésia: os livros da biblioteca do pai queimam, sem motivo aparente. Causa: o filho, na puberdade, extremamente irritado com o pai que o punira, espontaneamente gera energia suficiente para destruir algo considerado importante pra ele, como vingança. Para Quevedo isso seria possível mas não controlável, isto é, este adolescente não conseguiria repetir o fato a hora que desejasse. E fenômenos assim podem ocorrer em casas com crianças na puberdade, com mais frequência entre meninas, dizia Quevedo. Fenômenos paranormais podem ocorrer mas, repetia, geralmente é fraude.

Um caso típico de fraude foram as camas de um hotel, em Tupã-SP, que apareciam queimadas. Estive no local e conversei com o gerente e funcionários e a história era a mesma: de repente surgia fumaça e uma cama queimando. Observei, porém, que um jovem funcionário entrevistado descreveu com muitos detalhes as cenas do fogo. Lembro que alertei ao gerente que nada havia do além e que o tal funcionário seria o provável autor da confusão. Dito e feito. Enquanto estava no local ele se aproximou gritando sobre nova ocorrência. Lá estava a cama chamuscada. Uma semana depois confessou a arte. Livrei o "além" de levar a culpa, de novo.


As posições da parapsicologia no campo religioso geram conflitos. O Instituto Padre Quevedo de Parapsicologia diz, claramente, que Nossa Senhora nunca apareceu nem em Lourdes, nem em Fátima e muito menos em Medjugorge. "Até  mesmo Jesus Cristo, salvo um curto período de tempo em que teria aparecido em diversas oportunidades, nunca mais apareceu". Porque os mortos não aparecem - diz a publicação na página do Facebook.

Quevedo sempre afirmou que, na verdade, ocorreram visões criadas pelo cérebro ou ilusão de ótica para algumas pessoas e não aparições que pudessem ser vistas por uma multidão. "A Igreja jamais disse que Nossa Senhora apareceu. A Igreja sempre disse, oficialmente, que foram visões" - diz uma nota do Instituto. Isso vem causando confusão entre os fiéis. Quevedo teve até um livro censurado pela igreja - Antes que os demônios voltem - e só foi liberado depois de levar um corretivo da Santa Sé. Chegou a dar aulas de parapsicologia para padres em formação.

Óscar González-Quevedo (nasceu em Madri em 15 de novembro de 1930) é um padre Jesuíta, radicado no Brasil desde 1950 com formação na Faculdade de Comillas, Doutor em Teologia e autor de diversos livros (A Face Oculta da Mente e Antes que os Demônios Voltem). Aposentado, vive numa comunidade da igreja católica, em Belo Horizonte, hoje com 85 anos..