sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Chegou a vez do mensalão mineiro

Eduardo Azeredo: confio no julgamento do STF

Procurador pede 22 anos de prisão para Azeredo

Chegou a vez do PSDB responder pelas acusações do mensalão tucano. Rodrigo Janot, Procurador-Geral da República pediu 22 anos de prisão para Eduardo Azeredo, atual deputado federal, acusado de envolvimento no esquema conhecido como mensalão - modelo seguido pelo PT. Além, o procurador pediu a aplicação de multa de R$ 404 mil. Azeredo nega e diz confiar no STF.  

Janot acolheu a denúncia produzida pelo ex-Procurador Antonio Fernando por crimes continuados de peculato e lavagem de dinheiro. Azeredo alega que o dinheiro foi utilizado para financiar campanhas eleitorais e não para enriquecimento pessoal.

A denúncia explicita que Azeredo "usou a máquina administrativa em seu favor de forma criminosa e causando um desequilíbrio econômico financeiro entre os demais concorrentes ao cargo de Governador de Minas Gerais em 1998".

Luis Roberto Barroso é o relator do processo e apresentará seu voto em 30 dias.

Cerca de R$ 3,5 milhões foram desviados dos cofres do estado mineiro usando o mesmo esquema do Partido dos Trabalhadores: empresas do publicitário pegavam empréstimos no Banco Rural em operações fictícias e repassavam para a campanha de Azeredo. As dívidas foram pagas com dinheiro de estatais mineiras.