sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

João Paulo não é mais deputado


João Paulo baixou o braço e renunciou.

O último dos graúdos do PT acabou de renunciar ao mandato de deputado depois de ter sido preso, condenado que foi no julgamento do mensalão do PT. Os próprios membros do partido exigiram que ele renunciasse. O petista foi acusado de receber propina para beneficiar as empresas do Marcos Valério, este condenado diante de uma montanha de provas a mais de 40 anos de prisão. Além, João mandou a mulher retirar dinheiro da corrupção no Banco Rural de Brasilia. Primeiro disse que a mulher esteve lá para pagar contra de TV a Cabo e depois que o dinheiro era para pagar pesquisa eleitoral. Independente pra que seria o dinheiro, era dinheiro fruto de fraude. Os diretores do banco foram severamente punidos também.

Antes de ir para a Papuda, penitenciária sede do governo federal diante de tanto petista encarcerado, João Paulo foi almoçar no acampamento em frente ao STF, como uma provocação a instituição que o condenou.

Durante discurso num evento do PT João Paulo, em duro ataque ao Ministro Joaquim Barbosa, disse que "ele estava lá porque era projeto do PT, porque Lula queria". 

De punho erguido deu seu último show. Mas as luzes se apagaram na Papuda e João vai acordar do seu delírio e tomar café, de canequinha de plástico, geralmente azul, na manhã seguinte. Ao entrar na penitenciária recebeu o kit prisioneiro: uma caneca, um prato, talher, roupa de cama, toalha, material de higiene e uniforme de uso obrigatório.

Recorde-se que dos 11 juízes que condenaram os mensaleiros corruptos, oito foram indicados pelo atual governo. A pecha de preso político não cola. É político preso.