segunda-feira, 15 de julho de 2013

Bombeiros responsabilizados pela tragédia da Boate Kiss. Sócios e integrantes da banda já estão soltos.


Justiça aceita denúncia contra bombeiros de Santa Maria


Quatro oficiais do Corpo de Bombeiros de Santa Maria, Rio Grande do Sul, foram indiciados no processo que busca punir todos envolvidos pela tragédia da Boate Kiss quando morreram 242 pessoas na madrugada de 27 de janeiro deste ano. Prefeito e funcionários da prefeitura foram isentados de culpa. Os ex-comandantes Altair de Freitas Cunha e Moisés da Silva Fuchs e os chefes de prevenção de incêndios Daniel da Silva Adriano e Alex da Rocha Camilo foram citados na ação.

Para o promotor público Maurício Trevisan o sistema simplificado de alvará adotado pelos bombeiros da cidade era ilegal desde 2007 e não apenas no caso da boate. O sistema era usado para elevar a arrecadação com a liberação de mais licenças, segundo afirmou Trevisan.

O incêndio começou quando integrantes da banda Gurizada Fandanqueira fizeram uso de fogos de artifício não apropriados para ambientes indoor. A justiça aceitou a denúncia do Ministério Público contra 8 pessoas - quatro por homicídio, duas por fraude processual e duas por falso testemunho. Os sócios da boate e dois integrantes da banda foram presos logo após a tragédia mas, por decisão do Tribunal de Justiça, todos foram libertados. Recentemente o mesmo tribunal rejeitou o pedido de prisão para os acusados feito pelo Ministério Público inconformado pela concessão de habeas corpus em 29 de maio passado.

Leia mais: Fotos cedidas pela polícia da boate Kiss após o incêndio.  Boate obteve licença apesar de violar lei anti-incêndio