sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Excomungar porque?


Um padre de Bauru foi excomungado pela Igreja Católica e tenta, na justiça terrena, reverter a condenação espiritual que lhe foi imposta. A excomunhão ocorreu porque o padre Roberto Daniel, 48 anos, pronunciou-se em favor dos homossexuais e, diante do confronto com a posição da igreja que condena essa prática, foi punido, isto é, proibido da prática professada naquela igreja.

"Pedófilos não são excomungados, mas eu fui” desabafou Padre Beto, como é conhecido. Essa frase bate certeira contra a igreja que protege padres pedófilos?

Excomunhão, literalmente quer dizer "tirar a comunhão". É uma punição espiritual aplicada em casos considerados pela Igreja Católica, de gravidade, para desfiliar algum membro ou excluir algum dirigente e impedi-lo da prática religiosa dentro da sua comunidade. Ela faz parte do Código de Direito Canônico - normas jurídicas que regulam os direitos e obrigações dos católicos e os sacramentos e sanções aos que se apuserem a ela. Aliás, essa constituição católica, da forma que se conhece hoje, só foi organizada por volta de 1917. Antes disso era uma colcha de retalhos.

Biblicamente o mais próximo encontrado disso é a "anátema", que alguns traduzem como maldição. O apóstolo Paulo diz em 1 Coríntios, 16: 22 diz que "se alguém não amar ao Senhor, seja anátema." Em Gálatas 1:8 cita: "Mas, ainda que alguém - nós ou um anjo baixado do céu - vos anunciasse um evangelho diferente do que vos temos anunciado, que ele seja anátema!" , que soa como amaldiçoado, condenado.

A excomunhão soava, nos idos tempos, como uma praga e as pessoas se afastavam do condenado como de um leproso, então uma doença altamente contagiosa e incurável. A maioria dos punidos vivia à margem da sociedade e muitos eram executados. A excomunhão foi aplicada, também, conforme alguns interesses políticos de Roma. Todos os cristãos da América do Sul que pegaram em armas contra as monarquias da Espanha e Portugal foram excomungados. Naquele período aqueles dois reinos eram grandes contribuintes da igreja.

João Calvino e Martinho Lutero, líderes da reforma, se juntam a Napoleão Bonaparte, Fidel Castro, Rei Henrique VIII da Inglaterra, Juan Domingos Peron, Miguel Cervantes e o Rei Afonso II de Portugal, este punido em 1212. O rei português queria usar parte dos lucros, antes destinados à igreja católica, para reunificar o país. Caiu no desagrado de Roma e foi excomungado.

No caso do Padre Beto, a expulsão decorreu das suas manifestações a favor do matrimônio gay, uso de preservativos e sexo antes do casamento, exatamente o contrário da pregação da igreja. Roberto Daniel teve sua pretensão também rejeitada pela justiça terrena e continua, portanto, excomungado.