sábado, 6 de abril de 2013

Cuba, uma ilha envelhecida




O colunista Iván García é um jornalista cubano publicado em vários jornais do mundo. Em artigo recente diz que Cuba é uma ilha envelhecida e se argumenta que há mais de 30 anos as mulheres cubanas tiverem apenas um filho ao término de seu período reprodutivo. Este é um resumo da pesquisa anunciada pela Oficina Nacional de Estatísticas, em 2011.

O pais está envelhecendo rapidamente e sua população diminuindo. A terceira idade superou a faixa populacional entre 0 e 14 anos em 17,8% do total de 11 milhões e 200 mil habitantes. Estudos mostram que, neste ritmo, Cuba chegara a 2025 com menos 200.000 habitantes e 44 anos de idade média do povo.

Metade da população idosa sente medo e incerteza em relação ao futuro preocupando-se com a situação econômica e saúde. Cerca de 60% dos pesquisados disseram que tem dificuldades financeiras e outras carências e os demais "que podem viver entre bom e pouco apertado".

Ressalta-se que muitos deles recebem ajuda de parentes de Miami, particularmente. Os demais vivem da aposentadoria de 6 a 15 dólares cambiáveis (R$ 12 a R$ 30) por mês que não cobre 25% das suas necessidades. Se ele consumir duas pequenas refeições por dia gastará cerca de US$ 100. Por isso é comum ver nas ruas de Havana idosos vendendo todo tipo de quinquilharia ou produtos roubados das fábricas do governo, hábito em todo país.

Anualmente migram mais de 20 mil pessoas entre 14 e 45 anos. Uma solução do governo cubano foi aumentar a idade de aposentadoria para 60/65 anos para mulheres e homens, respectivamente.

Pior é que mais de 60% das casas estão em condições precárias de uso. O mesmo teto tem sido utilizado por várias gerações. Outra opção são os arruinados asilos do estado.

Brevemente Raul Castro se aposentara. Mas, certamente não receberá apenas uma pensão de US$ 15.