segunda-feira, 8 de abril de 2013

Sistema público de saúde está falido


Percentual de investimento brasileiro em saúde é menor que em países africanos

A saúde pública vai mal no Brasil. O atendimento é "universal e gratuito" mas quem paga mais da metade do custo é a própria população. Pesquisas da Organização Mundial da Saúde de 2011 e compiladas pela BBC Brasil, mostram que os gastos privados com a saúde chegaram a 54% e o governo financiou os outros 46%. Na Noruega o governo banca 86% do custo, Luxemburgo 84%, Grã-Bretanha 83%, Japão 80%. Turquia 75%, Colômbia 74% e Uruguai 68%.

Em relação ao orçamento, o investimento brasileiro em saúde também é pequeno: 8,7% apenas contra 21% da Suíça, 20,6% da Holanda, 20,4% da Argentina, Estados Unidos 19,8%, Colômbia e Alemanha 18,5%, Japão 18,2%. Noruega 17,7% e Chile 15,1%. O Brasil investe menos em saúde pública que a média dos países africanos (10,6%).

O gasto anual do governo com a saúde para cada brasileiro também é pequeno em relação a outros países: só US$ 477, algo em torno de R$ 950,00 enquanto Luxemburgo gasta, por habitante, US$ 5,8 mil (R$ 11,600,00), 12 vezes a mais que o Brasil. A média mundial é de US$ 716 (R$ 1.432,00). Países vizinhos investem mais na saúde da população, US$ 869 na Argentina e US$ 607 no Chile.


Hospitais da Inglaterra: governo banca 83% dos custos com saúde



Hospitais brasileiros: gastos por habitante menor que em países africanos