terça-feira, 12 de março de 2013

Mais um escândalo de pedofilia envolve cardeal que participa do conclave


Cardeal que participa do conclave está envolvido em acordos para indenizar vitimas de abusos sexuais


Porque os católicos não reagem diante de tantos escândalos de
abusos sexuais contra crianças e homossexualismo dentro do clero?


O cardeal americano Roger Mahony, um dos participantes do conclave para escolha do novo Papa não deve ter a consciência muito tranquila. Ele é acusado de participar de acordos para pagamento de indenizações para vítimas de abusos sexuais praticados por membros do clero americano. O valor é de US$ 10 milhões de dólares e o acordo foi uma tentativa para calar as denúncias de pedofilia contra 4 menores. 

A diocese de Los Angeles já pagou US$ 700 milhões de dólares a 550 vítimas violentadas por padres e tudo isso com o conhecimento de Mahony que se aposentou em 2011.

Michael Hennigan, advogado de defesa, confirmou que o acordo previa que nenhuma das partes admitisse mau comportamento. Mahony enviou o padre que confessara a violência sexual para um tratamento fora da California protegendo-o da investigação policial. Tempos depois o padre voltou e tornou a molestar menores, de novo.

Cerca de 72% dos padres americanos se confessaram homossexuais e existem centenas de casos de abusos contra menores. A igreja, ao longo do tempo, vem ignorando os fatos e fugindo das investigações policiais calando as vítimas com indenizações.

Na cúpula da igreja romana, na véspera da escolha do novo Papa, explodiram escândalos envolvendo o alto clero - inclusive os que votam no conclave, como Mahony - denúncias de corrupção, homossexualismo e roubo. Há séculos crianças são molestadas e nem mesmo os fiéis católicos tem demonstrado algum tipo de reação para cessar esses crimes. A imprensa, durante o conclave, age como se nada disso estivesse ocorrendo ou que envolvidos em escândalos dessa gravidade possam influir na escolha do mais importante líder do catolicismo. Porque os católicos não reagem?