terça-feira, 11 de dezembro de 2012

José Sarney defende Lula. Quem diria, né?


Inimigos políticos, amigos na falta de moral e ética
Imaginei que não viveria para ver a queda do Muro de Berlim e o fim do comunismo soviético.  Nem o Corinthians campeão da Libertadores. Pois é, gargalhei vendo cair o símbolo da falta de liberdade, o fim de uma das maiores e mais violentas ditaduras do mundo e o timão campeão das Américas.

Mas jamais num dia, ou num minuto, sequer um segundo, mesmo conhecendo a falta de caráter da maioria dos políticos, poderia imaginar ouvir José Sarney (chamado por Lula de "picareta" do congresso e outros nomes impublicáveis), hoje sair em defesa do seu desafeto. Segundo José Sarney, Lula é patrimônio da história do Brasil. Esse elogio, vindo de quem vem, é bom ou ruim? Provavelmente o mais novo aliado de Lula, Paulo Maluf, dirá o mesmo. E Renan Calheiros, e Barbalho, e Collor e outros picaretas, antes  símbolos de fisiologismo, hoje aliados amigos e sustentadores dos contantes escândalos de corrupção gestados no centro do poder. Afinal, a vida política deles, como Sarney,  depende hoje da defesa que faz dos "aliados corruptos". 

Rouba mas faz? O PSDB também roubou? Isso todo político faz? É assim que os zé bundinhas tentam justificar a imoralidade, desrespeito ao bem público e o excesso de ganancia pelo poder? Como o MDB de lutas memoráveis que se transformou no PMDB fisiologista, o PT da ética acabou na lama. E o PSDB esta se enforcando.